Ex-deputado Alfredo Sirkis morre em acidente de carro no RJ

De acordo com o Corpo de Bombeiros, capotamento ocorreu no Arco Metropolitano, altura de Nova Iguaçu, Baixada Fluminense

Sirkis se destacou por luta pelo meio ambiente

Sirkis se destacou por luta pelo meio ambiente

Câmara dos Deputados

O jornalista, escritor, roteirista, gestor ambiental e urbanístico e ex-deputado Alfredo H. Sirkis, de 69 anos, morreu em um grave acidente de carro no Arco Metropolitano, altura de Nova Iguaçu, Baixada Fluminense, nesta sexta-feira (10).

A informação foi confirmada pelo Corpo de Bombeiros. Os militares disseram ter encontrado a vítima já em óbito por volta de 15h30.

De acordo com as primeiras informações, Sirkis perdeu a direção do veículo e bateu contra um poste. Em seguida, o automóvel capotou na via expressa.

A Polícia Civil fez uma perícia no local e encaminhou o corpo ao IML (Instituto Médico Legal). O acidente vai ser investigado pela 58ª DP (Posse).

Trajetória

Sirkis era jornalista, tinha 69 anos e se notabilizou na luta pelo meio ambiente. Foi deputado federal pelo Rio de Janeiro entre 2011 e 2014. Era diretor executivo do CBC (Centro Brasil no Clima) e foi coordenador do Fórum Brasileiro de Mudança do Clima de 2016 e 2019.

Na Câmara Federal, presidiu a Comissão Mista de Mudança do Clima do Congresso Nacional e foi um dos vice-presidentes da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional.

Antes disso, foi vereador em quatro mandatos no Rio de Janeiro, secretário municipal de Urbanismo e secretário municipal de Meio Ambiente, entre 1993 e 1996, na cidade do Rio. Foi membro da delegação brasileira às conferências do Clima de Montreal, Bali, Copenhagen, Durban, Varsóvia, Lima, Paris, Marrakech e Bonn.

Integrou as comissões executivas do International Council for Local Environmental Initiatives e do Metrópolis. Foi um dos fundadores do Partido Verde e um dos líderes do movimento ecológico no Brasil.

Como jornalista e escritor, foi autor de nove livros, incluindo Os Carbonários, vencedor do Prêmio Jabuti de 1981. Sirkis iniciou seu trabalho no jornalismo em 1973, em Paris, onde estava exilado, no jornal Libération, dirigido pelo escritor Jean-Paul Sartre.

Sirkis era conhecido pelo bom trânsito com políticos dos mais variados espectros, sempre aberto ao diálogo, mas sem deixar suas convicções de lado, principalmente a luta pelo meio ambiente.

Manifestações

Em nota, o prefeito do Rio, Marcelo Crivella, destacou a trajetória de Alfredo Sirkis como militante "apaixonado por todas as causas que abraçava":

"Como secretário de Urbanismo e de Meio Ambiente da nossa cidade, sempre trabalhou por um Rio mais humano e solidário. Sua luta mais recente era contra as mudanças climáticas que tanto ameaçam nosso planeta. Tinha ainda muito a contribuir com sua experiência e dedicação. Neste momento de grande dor, peço a Deus que conforte sua família, amigos e admiradores."

Nas redes sociais, políticos, como Chico Alencar, Marcelo Freixo e Jandira Feghali, lamentaram a morte de Sirkis. 

*Estagiária do R7, sob supervisão de Bruna Oliveira