Rio de Janeiro Filha de suspeita de envenenar enteados diz ter visto líquido verde em prato de adolescente

Filha de suspeita de envenenar enteados diz ter visto líquido verde em prato de adolescente

Menor teria passado mal depois de comer feijão feito por Cintia Mariano; filho disse que suspeita confessou ter colocado veneno

  • Rio de Janeiro | Do R7, com Felipe Batista, da Record TV Rio

Cintia Mariano está presa por suspeita de envenenar enteados

Cintia Mariano está presa por suspeita de envenenar enteados

Reprodução/Record TV Rio

A filha de Cintia Mariano Dias prestou depoimento na 33ª DP (Realengo) no dia 16 de maio e disse aos agentes que viu um líquido verde no prato do enteado mais novo da mãe. O adolescente de 16 anos foi levado ao Hospital Albert Schweitzer após passar mal naquele dia.

De acordo com o depoimento de Carla, no dia 15 de maio Cintia foi a responsável por fazer o jantar e, quando se sentou à mesa, o adolescente já estava com o prato servido. Ela afirmou ainda que ele ficou separando a comida e que Cintia pegou o prato para trocá-lo.

Quando a mãe voltou à mesa com o prato do adolescente, a jovem disse ter visto um líquido “esverdeado escuro e brilhoso” no fundo, mas na hora achou que fosse o tempero da comida.

Carla disse que estava dormindo quando seu irmão contou que Cintia estava com o marido e o enteado no hospital.

Lucas, irmão de Carla, prestou depoimento dias depois e disse que, durante uma conversa com Cintia, ela teria confessado tudo e dito que serviu a comida do adolescente e em seguida colocou chumbinho no feijão do prato dele. Como o menino ficou separando a comida, ela teria pegado o prato para colocar mais feijão e disfarçar as bolinhas do veneno e o gosto ruim da comida.

A defesa de Cintia disse em nota que ela "não confessou em nenhum momento" e que "o motivo pelo qual o filho, de forma contundente, informa que ela havia confessado descobriremos somente no curso do processo criminal".

O caso

Fernanda Carvalho e o irmão teriam se alimentado de comida envenenada pela madrasta, que está presa. O corpo da jovem de 22 anos será exumado nesta quinta, no cemitério Jardim da Saudade, em Sulacap, para investigação.

Fernanda morreu no dia 27 de março, após ficar 13 dias internada no Hospital Municipal Albert Schweitzer. De acordo com a certidão de óbito, a causa da morte foi choque séptico. Antes de ir ao hospital, a vítima enviou um áudio ao namorado em que pede socorro.

Dois meses depois da morte de Fernanda, seu irmão deu entrada na unidade de saúde com os mesmos sintomas: tonteira, língua enrolando, saliva excessiva e lábios esbranquiçados. O adolescente de 16 anos sobreviveu ao que pode ter sido uma tentativa de homicídio.

Em depoimento na 33ª DP (Realengo), que investiga o caso, o pai das vítimas disse que estranhou o fato de a companheira, Cintia Mariano, ter retirado o prato de comida duas vezes das mãos do filho e ter posto a comida no prato do menino. Bruno teria se queixado do gosto do feijão feito pela madrasta durante almoço no dia 15 de maio.

O pai do adolescente, Adeilson Jarbas, socorreu o filho já na casa da ex-esposa, Jane Carvalho. O adolescente começou a passar mal cerca de uma hora após a ingestão, assim como sua irmã, Fernanda (que passou mal depois de jantar a comida de Cintia).

Adeilson mantinha um relacionamento de cinco anos com a suspeita. A filha, Fernanda, morava com o casal, enquanto o menor morava com a mãe. A defesa de Cintia Mariano alega que vai provar sua inocência. No entanto, ela teria confessado os crimes aos filhos biológicos.

Últimas