Rio de Janeiro Governo do Rio acaba com a única pasta voltada à causa animal

Governo do Rio acaba com a única pasta voltada à causa animal

SUPAN iniciou um mapeamento pioneiro em todo território fluminense sobre abandono e maus-tratos, entre outros projetos voltados ao animais

  • Rio de Janeiro | Isabela Afonso, do R7*

SUPAN realizava resgate de vários animais nas ruas no Estado

SUPAN realizava resgate de vários animais nas ruas no Estado

Divulgação / SUPAN

O governador em exercício, Cláudio Castro, extinguiu, nesta terça-feira (6), a SUPAN (Subsecretaria de Proteção e Bem-Estar Animal do Estado), que é a única pasta voltada às causas animais do Rio de Janeiro.

Leia também: Secretária de Japeri é afastada por compra irregular de respiradores

A SUPAN foi criada em fevereiro de 2020 pelo então governador Wilson Witzel. A subsecretaria sempre esteve à frente que casos de resgates de vários animais nas ruas.

Além de ter iniciado um mapeamento pioneiro em todo território fluminense sobre abandono e maus-tratos, a SUPAN criou um catálogo virtual de adoções através do Projeto Amor Delivery e levou políticas públicas no combate às zoonoses (questão também de saúde humana). 

Em nota a Subsecretaria de Proteção e Bem-Estar Animal do Estado disse que lamenta muito o descaso do atual governo com os animais.

"A equipe da SUPAN lamenta muito que os animais sejam considerados dispensáveis ou descartáveis. Que a proteção e o bem-estar deles não seja observado com valor e o respeito digno apesar dos direitos garantidos pela Constituição Federal, livro maior do Estado Democrático de Direito desta Federação", relata a nota.

Os profissionais que trabalhavam na pasta ainda relatam que não tinha orçamento para os projetos que realizavam e muitas das vezes custeavam do próprio bolso as ações realizadas.

Leia também: Criança de 6 anos morre após ser atropelada por trem no Rio

"Os profissionais que, nesta pasta se dedicaram sem orçamento, se consternam com a decisão sem aviso prévio, sem conversas e diálogos. Que vai na contração do que pensa a Presidência de República e a Organização Mundial da Saúde. Os profissionais que, nesta pasta se imbuíram a um propósito acima do político, se assombram com o desprezo pela vida daqueles que não tem voz", afirma a nota.

*Estagiária do R7, sob supervisão de PH Rosa

Últimas