Médico que fez procedimento em MC Atrevida depõe nesta segunda

Wilson Ernest Garlaza Jara é aguardado, na 20ª DP (Vila Isabel). A funkeira Fernanda Rodrigues morreu no dia 27 de julho

Funkeira morreu dez dias após procedimento cirúrgico

Funkeira morreu dez dias após procedimento cirúrgico

Record TV Rio

O médico Wilson Ernest Garlaza Jara, que fez o precedimento estético na cantora Fernanda Rodrigues, a MC Atrevida, vai prestar depoimento na tarde desta segunda-feira (3) na 20ª DP (Vila Isabel).

A funkeira Fernanda Rodrigues, de 44 anos, conhecida como MC Atrevida, morreu no último dia 27, após fazer um procedimento cirúrgico em uma clínica em Vila Isabel, na zona norte do Rio.

O corpo da vítima foi enterrado no Cemitério da Cacuia, na Ilha do Governador, na quarta-feira (29).

Caso

A amiga Janine Silva contou que a funkeira ficou na casa dela após o procedimento e reclamou de fortes dores. Segundo Janine, ao entrar em contato com a clínica, uma responsável disse que a situação era "normal".

Em um áudio, a dona do estabelecimento afirmou que o médico responsável pelo procedimento havia recomendado que Fernanda fosse levada a um hospital para fazer um exame de sangue “para saber qual bactéria que estava fazendo isso para tomar o antibiótico certo".

Ainda de acordo com a mulher, o médico não poderia atender a funkeira porque estava internado após sofrer dois AVCs.

Depois de 10 dias, a vítima foi levada ao Hospital Evandro Freire, na Ilha do Governador, mas não resistiu. A declaração de óbito apontou morte por infecção generalizada causada por inflamação na pele.

Clínica

Depois da notícia da morte de MC Atrevida, Wania Tavares, responsável pela clínica, chegou a dizer, também pelas redes sociais, que está tranquila e que vai aguardar o laudo com a causa da morte.

"Eu estou com a minha consciência supertranquila quanto ao procedimento, que foi feito corretamente", garantiu durante transmissão ao vivo.

A Decon (Delegacia de Defesa do Consumidor) e a Vigilância Sanitária interditaram, na quinta-feira (30), por falta de licença sanitária a clínica em Vila Isabel, zona norte do Rio, onde foi realizado o procedimento.

A empresária prestou depoimento na sexta-feira (31) na 20ª DP (Vila Isabel) e disse estar muito abalada com tudo que aconteceu. 

*Sob supervisão de Patrícia Junqueira