Mulher morre após ser torturada por ex-companheiro na Baixada (RJ)

Vanessa Silva do Nascimento Chaves conseguiu fugir da casa onde estava presa, mas não resistiu ao traumatismo craniano causado pelas agressões

Vanessa deixou um filho de 7 anos

Vanessa deixou um filho de 7 anos

Reprodução/Record TV Rio

Uma mulher de 22 anos morreu no último sábado (2) após ser torturada por três dias pelo ex-companheiro, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. O principal suspeito, identificado como Douglas, foi preso pelo crime e ameaçou o restante da família de Vanessa Chaves: “agora vou deixar aleijado os familiares”.

Helicóptero da Record TV Rio flagra suspeito escondido da Polícia Militar

A vítima conseguiu fugir da casa com a ajuda da irmã do agressor. Ela foi levada ao Hospital Estadual Adão Pereira Nunes, em Duque de Caxias, também na Baixada Fluminense, mas não resistiu aos ferimentos. A madrasta de Vanessa afirmou que ela apontou Douglas como o autor das agressões.

“Se você não puder falar, você fala com sinais. Eu perguntei: 'o Douglas te bateu?' E ela balançou a cabeça dizendo que sim”, contou Josefa Souza em entrevista à Record TV Rio.

A delegada responsável pelo caso, Mônica Areal, declarou que Vanessa já havia feito um boletim de ocorrência denunciando Douglas por violência doméstica.

Em nota, a Polícia Civil informou que Douglas responderá por sequestro, cárcere privado e tortura. A instituição não informou se o suspeito será enquadro no crime de feminicídio - homicídio motivado pelo gênero.

Polícia pede para arquivar inquérito sobre operação com 13 mortos no RJ

Vanessa será enterrada nesta segunda-feira (4), no cemitério de Nilópolis, também na Baixada Fluminense. A vítima deixa um filho de 7 anos.

*Estagiário do R7, sob supervisão de Bruna Oliveira