Rio de Janeiro Polícia investiga participação de milicianos em chacina no RJ

Polícia investiga participação de milicianos em chacina no RJ

Agentes descartaram hipótese de guerra entre facções. Ligação com execução de policial militar em Itaboraí também é considerada 

  • Rio de Janeiro | Rayssa Motta, do R7*, com Record TV

Chacina deixou dez mortos e três feridos

Chacina deixou dez mortos e três feridos

Luciano Belford/Agência O Dia - 21.01.2018

A Polícia Civil investiga a participação de milicianos na chacina que deixou dez pessoas mortas nos municípios vizinhos de Itaboraí e São Gonçalo, na região metropolitana do Rio de Janeiro, na última segunda-feira (21). De acordo com os agentes, grupos paramilitares têm ganhado espaço em Itaboraí.

Os policiais da DHNSGI (Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí) também apuram se o crime tem ligação com a morte do policial militar Rodrigo Marques, assassinado no mesmo local da chacina há uma semana.

A primeira hipótese, de uma guerra entre facções rivais em disputa por pontos de venda de drogas na região, foi descartada pelos investigadores. Entre as vítimas, apenas Michael Douglas da Silva Machado possui anotações criminais, por tráfico de drogas e roubo.

De acordo com o delegado Gabriel Poiava, apesar dos crimes terem sido cometidos em bairros diferentes, foram praticados pelos mesmos autores. A polícia descobriu que o mesmo carro foi usado em todos os ataques. 

Dinâmica

A primeira vítima foi Pablo Damasceno dos Esteves, de 26 anos, executado no bairro Ampliação, em Itaboraí.

A cerca de 11 km, Vanderson dos Santos Silva, de 18 anos, foi morto em Granja Cabuçu, no mesmo município.

Em seguida, três pessoas foram assassinadas em uma lanchonete no bairro vizinho de Marambaia. Hércules de Souza Costa, 21 anos, trabalhava como atendente no estabelecimento. Já Michael Douglas da Silva Machado, de 25 anos, e Allan Patrick Pinto Vicente, de 21, eram clientes do local.

A dona do comércio, Débora Rodrigues, de 46 anos, foi levada pelos bandidos. Na manhã seguinte, foi encontrada morta próximo à lanchonete. Ela deixa dois filhos adolescentes.

Pelo menos três executores encapuzados seguiram para a casa de uma família no mesmo bairro, já no lado de São Gonçalo, e mataram os primos Gabriel Trigueiro de Oliveira, de 19 anos, e Renan Trigueiro de Almeida, de 20 anos, e o tio dos jovens, Rodrigo Avelino Braga, de 38 anos.

A última vítima, Luiz Rafael Ramos, chegou a ser levada ao Hospital Estadual Alberto Torres, em São Gonçalo, mas morreu na unidade de saúde.

Duas outras pessoas feridas na ação foram internadas no mesmo hospital. Elas receberam alta na segunda-feira (21).

*Estagiária do R7, sob supervisão de PH Rosa

Últimas