Rio de Janeiro 'Demonstrou arrependimento', diz advogado após novo depoimento de suspeito de matar americano

'Demonstrou arrependimento', diz advogado após novo depoimento de suspeito de matar americano

O advogado Greg Andrade, que representa o cubano, disse que o conteúdo não pode ser divulgado para não atrapalhar a polícia

  • Rio de Janeiro | Bruna Oliveira, do R7, com Record Rio

Suspeito foi flagrado em frente à residência da vítima, de acordo com as investigações

Suspeito foi flagrado em frente à residência da vítima, de acordo com as investigações

Reprodução

A defesa do suspeito preso pela morte do americano Brent Sikkema disse que as informações repassadas no novo depoimento, nesta terça-feira (30), podem "mudar o rumo das investigações".

O cubano Alejandro Prevez foi ouvido durante quatro horas, por agentes da Divisão de Homicídios na cadeia Bangu 8, onde permanece detido temporariamente por decisão da Justiça.

O advogado de Alejandro, Greg Andrade, não confirmou se houve confissão do crime, por parte do suspeito, mas citou que ele demostrou "arrependimento". 

"Houve um acordo para não divulgar o que foi dito em depoimento, até para não atrapalhar as investigações. É isso: ele foi colaborativo, demonstrou o arrependimento na questão das acusações que estão recaindo sobre ele. E trouxe novas informações", disse. 

Defesa solicitou novo depoimento na semana passada

Até semana passada, o suspeito negava qualquer envolvimento. Inclusive, chegou a dizer que não se lembrava de nada e desconfiava que havia sido drogado no dia do assassinato.

No entanto, o advogado do cubano, Greg Andrade, revelou, na última sexta-feira (26), que procurou a polícia porque o cliente tinha a intenção de apresentar uma versão para o caso.

A defesa do cubano evitou falar em confissão, mas deu a entender que o crime teria um suposto mandante.

O que se sabe é que a vítima e o suspeito se conheciam. Os representantes de Alejandro confirmaram que houve uma relação profissional entre os dois.

A prisão do cubano


Os investigadores chegaram até o cubano a partir de análise de câmeras de segurança. Segundo a polícia, Alejandro Prevez foi flagrado em um vídeo, em frente à casa da vítima, retirando luvas das mãos.

De acordo com as investigações, o suspeito monitorou o estrangeiro por 14 horas e esperou o melhor momento para invadir a casa de Sikkema.

O laudo pericial indicou que o americano foi ferido com 18 facadas, sendo os golpes concentrados nas regiões do rosto e do tórax.

Ainda segundo a polícia, o suspeito fugiu levando R$ 30 mil e US$ 30 mil, além de objetos de valor que estavam no imóvel.

Ele foi preso, no último dia 18, em um posto de combustíveis, em Minas Gerais, quando estava em fuga devido à divulgação das imagens.

Investigação


Os investigadores foram informados por testemunhas que Brent Sikkema conhecia o suspeito. Eles teriam se encontrado, em circunstância ainda não reveladas, em meados de 2023.

A polícia investiga uma possível ligação entre o preso e o companheiro da vítima, já que os dois são cubanos.

O que se sabe é que o casal estava em processo de separação e brigava pela guarda do filho na Justiça.

Inicialmente, a Delegacia de Homicídios da Capital considerou a hipótese de latrocínio (roubo seguido de morte) para o crime, mas nenhuma linha de investigação foi descartada.

Quem é Brent Sikkema?


O americano Brent Sikkema, de 75 anos, morto a facadas dentro de sua residência no Jardim Botânico, na zona sul do Rio, era sócio de uma importante galeria de arte em Nova York.

Sikkema morava nos Estados Unidos, mas viajava, ao menos três vezes por ano, para o Brasil, durante as festas de fim de ano e o Carnaval.

Segundo a advogada do americano, ele era apaixonado pela arte brasileira e pelo país. Inclusive, tinha a intenção de se mudar para o Brasil.

Foi a advogada e amiga de Sikkema que encontrou o corpo da vítima sobre a cama, no dia seguinte ao assassinato.

Ela foi à residência, no Jardim Botânico, por não conseguir contato no dia em que os dois tinham uma reunião marcada.

Últimas