Rio de Janeiro Tribunal aceita pedido da defesa de Witzel na produção de provas

Tribunal aceita pedido da defesa de Witzel na produção de provas

Em sessão realizada nesta sexta-feira (4), o quórum acatou a solicitação de testemunhas e documentos no processo de impeachment no Rio

  • Rio de Janeiro | Raíza Chaves, do R7*

Governador afastado é investigado por crime de responsabilidade

Governador afastado é investigado por crime de responsabilidade

Fernando Frazão/Agência Brasil - 12.11.2019

Com sete votos a favor, o Tribunal Especial Misto aceitou nesta sexta-feira (4) o pedido da defesa do do governador afastado Wilson Witzel em relação a produção de provas testemunhais e documentais, no processo de impeachment.

Ao abrir a sessão, o relator do Tribunal Misto, o deputado Waldeck Carneiro aceitou o pedido da defesa de Witzel.

Além disso, votou na convocação de mais oito testemunhas, entre elas, Nelson Bornier, ex-prefeito de Nova Iguaçu e citado na investigação do MP-RJ (Ministério Público do Rio de Janeiro) por supostamente ser ligado à OS (Organização Social) Unir Saúde, citada no processo de impeachment.

A defesa do governador afastado pediu 13 testemunhas e afirmou que Witzel nunca esteve envolvido na escolha da OS Iabas na gestão dos Hospitais de Campanha e sim Edmar Santos, ex-secretário estadual de Saúde e Gabriell Neves, ex-subsecretário.

Ambos foram presos em operações neste ano, suspeitos de fraudes na área da Saúde em contratos com OSs.

Os advogados do governador afastado Wilson Witzel apresentaram a defesa na segunda-feira (30) para o Tribunal Misto.

A próxima sessão será realizada no dia 17 de dezembro, às 9h para ouvir as primeiras testemunhas de acusação. 

Em seguida, acusação e defesa têm até 10 dias para apresentar alegações finais.

Por fim o julgamento final será marcado onde será decidido por no mínimo sete votos o impeachment de Wilson Witzel.

Em caso de aprovação do afastamento definitivo, o Tribunal Especial Misto decide por quanto tempo vale a perda de direitos políticos. Caso seja contrário, Witzel reassume o cargo após os 180 dias de afastamento determinados pelo STJ (Superior Tribunal de Justiça).

Processo

Wilson Witzel é investigado por crime de responsabilidade e foi afastado do cargo, no dia 28 de agosto por determinação do STJ (Superior Tribunal de Justiça) por suspeita de desvio na área da Saúde.

O governador afastado Wilson Witzel se manifestou nas redes sociais e declarou que está sendo acusado, sem provas, a partir de "uma denúncia frágil feita por criminosos confessos". Witzel afirmou ainda que está sendo submetido a um "linchamento moral e político".

*Sob supervisão de PH Rosa

Últimas