São Paulo Cerca de 1500 são-paulinos brigaram entre si após clássico, diz PM

Cerca de 1500 são-paulinos brigaram entre si após clássico, diz PM

Briga perto da estação São Paulo-Morumbi teria começado por causa de confusão entre membros da mesma organizada da capital e do interior

torcida organizada

Cerca de 1500 torcedores do São Paulo se envolveram em uma briga próximo da estação São Paulo-Morumbi, na zona oeste de São Paulo, na noite deste domingo (14), logo após o clube empatar com o Corinthians no primeiro jogo da final do Campeonato Paulista.

A informação do número de envolvidos foi dada pela Polícia Militar, que afirmou ainda que "o tumulto se estendeu para dentro da estação São Paulo-Morumbi".

Veja também: Briga entre torcidas deixa, ao menos, 14 feridos na Grande SP

O R7 apurou que a confusão começou por causa de um desentendimento entre membros da principal torcida organizada do São Paulo, a Independente, de Campinas (a 95 km de São Paulo) e da capital. Os grupos da mesma torcida têm um histórico de confrontos.

Os são-paulinos do interior teriam atrevessado, na avenida Avenida Jorge João Saad, o ônibus no qual eles vieram para assistir a partida entre São Paulo e Corinthians. Um torcedor que estava no transporte disse que o veículo foi atacado.

Os torcedores que estavam no ônibus, então, desceram e a briga se generalizou na rua. São-paulinos começaram usar rojões para se atacarem. Rapidamente a estação São Paulo-Morumbi foi fechada e a PM chegou. Aos poucos, os torcedores puderam entrar novamente na estação, que também teve cenas de violência.

Leia mais: Três pessoas envolvidas na briga entre torcidas recebem alta em SP

A reportagem presenciou dentro da estação policiais militares e agentes de segurança da ViaQuatro, concessionária responsável pela linha 4-Amarela do metrô, agredindo pelo menos dois integrantes da torcida do São Paulo.

Um dos agredidos foi apontado pelo agente de segurança da ViaQuatro como responsável por impedir o fechamento de uma das portas do metrô que seguiria sentido Luz. Para retirá-lo do vagão, policiais militares o agrediram com cessetetes.

Ainda dentro da estação, muitos são-paulinos entraram um luta corporal e diversos torcedores também solicitaram ajuda após passar mal devido ao forte cheiro de gás de pimenta no local.

A reportagem questionou a SSP-SP (Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo) sobre o uso de bombas e gás dentro da estação. A pasta, no entanto, disse apenas que "agentes do 16º BPM/M [Batalhão de Polícia Militar Metropolitano] precisaram intervir e foi necessário uso de técnicas de controle de distúrbios civis para dispersar o tumulto".

A pasta ainda disse que "não houve registro de feridos". A secretaria não respondeu sobre as agressões de policiais militares contra torcedores. Em contato telefônico, a ViaQuatro disse que todas informações sobre o ocorrido seriam fornecidas apenas pela SSP-SP.

O R7 também questionou a secretaria se a volta dos torcedores são-paulinos de Campinas foi escoltada pela PM. No entanto, não houve resposta para essa pergunta.