São Paulo Com fim da greve da CPTM, São Paulo retoma rodízio de veículos

Com fim da greve da CPTM, São Paulo retoma rodízio de veículos

Placas com finais 5 e 6 não podem circular no centro expandido nesta quarta-feira, nos horários de pico da manhã e da tarde 

  • São Paulo | Do R7

Placas com finais 5 e 6 não podem circular no centro expandido nesta quarta

Placas com finais 5 e 6 não podem circular no centro expandido nesta quarta

RENATO S. CERQUEIRA / FUTURA PRESS / ESTADÃO CONTEÚDO - 19.08.2021

O rodízio municipal de veículos de São Paulo foi retomado normalmente nesta quarta-feira (25) após ter sido suspenso na terça-feira (24) em razão da greve dos ferroviários das linhas 11- Coral, 12-Safira e 13-Jade da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos). O movimento, que começou a 0h de terça, foi encerrado ainda durante a noite.

O rodízio para veículos leves funciona nos horários de pico da manhã (7h às 10h) e da tarde (17h às 20h), de segunda a sexta-feira. Não poderão circular, nas regiões e horários estabelecidos pelo rodízio, os veículos automotores, inclusive caminhões, com os seguintes finais de placas:

Segundas-feiras: dígitos finais 1 e 2;
Terças-feiras: dígitos finais 3 e 4;
Quartas-feiras: dígitos finais 5 e 6;
Quintas-feiras: dígitos finais 7 e 8;
Sextas-feiras: dígitos finais 9 e 0.O que exigiam os grevistas

Entenda a greve na CPTM


A greve dos ferroviários das linhas 11- Coral, 12-Safira e 13-Jade da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) começou a 0h de terça-feira (24) para reivindicar reajuste salarial referente às campanhas de 2020/21 e 2021/22.

A decisão foi tomada em assembléia do Sindicato dos Trabalhadores em Empresas Ferroviárias da Zona Central do Brasil, que representa a categoria, por volta das 20h desta segunda-feira. A paralisação estava prevista desde o dia 4 de agosto.

Por meio de nota, a a Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) afirmou considerar "inadmissível" a decisão do sindicato, "prejudicando e punindo exclusivamente o cidadão que necessita do transporte público para ir ao trabalho, incluindo os que trabalham na linha de frente no combate à pandemia da covid-19."

Últimas