Cremesp investigará médica que deu como morta bebê ainda viva

Criança passou por avaliação de saúde nesta quarta-feria (14) e, segundo boletim médico, seu estado de saúde é grave

Mãe e filha estão internadas no Hospital SinoBrasileiro

Mãe e filha estão internadas no Hospital SinoBrasileiro

Ingrid Alfaya/R7

O Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp) informou que instaurou, nesta quarta-feira (14), sindicância para investigar a conduta de uma médica que atestou o óbito de uma recém-nascida ainda viva.

O caso aconteceu em Carapicuíba, na grande São Paulo, nesta segunda-feira (12). A bebê foi salva pelo motorista a caminho do IML de Osasco.

Ana Caroline da Silva, de 18 anos, estava grávida de quase 6 meses, quando na segunda-feira (12), por volta das 17h, teve início o trabalho de parto. Ela foi levada até o Hospital Alpha Med. Ana Caroline deu à luz, às 21h55, uma menina de apenas 700 gramas. O hospital não possui UTI Neonatal.

A sindicância é uma etapa preliminar para averiguação dos fatos denunciados, coleta de provas, manifestação escrita e, sempre que necessário, audiência com os envolvidos. Se durante a fase de sindicância forem constatados indícios de infração ética, que consiste no descumprimento de algum artigo do Código de Ética Médica, passa-se à segunda fase: a instauração do processo ético-profissional. Se culpado, o profissional pode receber como pena a cassação do exercício profissional.

Ainda de acordo com o Cremesp, a sindicância leva, em média, de seis meses a dois anos para ser concluída e tramita em sigilo processual garantido por Lei.

O hospital Alpha Med informou que abriu sindicância interna para apuração dos acontecimentos e afastou os profissionais envolvidos no ocorrido até a conclusão da investigação.

Estado de saúde

A reportagem do R7 entrou em contato com os pais da criança na manhã de quarta (14). A mãe, Ana Caroline, informou que estava esperando a avaliação médica sobre o estado de saúde da filha. De acordo com ela, o parecer foi agendado para as 12h, mas aconteceu com uma hora de atraso. Após avaliação, o pai, Leonardo Lira, disse que não gostaria de falar sobre o estado de saúde da filha pois foi considerado grave.

O R7 entrou em contato com a assessoria do Hospital e Maternidade SinoBrasileiro, que pertence à Rede D'Or São Luiz, que confirmou que o estado de saúde da bebê é grave, porém estável. Eles ainda informam que ela permanece internada na UTI Neonatal por conta de sua prematuridade extrema e recebe todo suporte e cuidados necessários.

* Colaborou Karla Dunder