São Paulo Cristian Cravinhos volta à penitenciária de presos 'famosos’

Cristian Cravinhos volta à penitenciária de presos 'famosos’

Condenado a 38 anos de detenção, o ex-cunhado de Suzane von Richthofen cumpria pena em regime aberto desde agosto do ano passado

Cristian Cravinhos volta à penitenciária de ‘presos midiáticos’

Cristian Cravinhos voltou à penitenciária de Tremembé nesta quinta-feira (19)

Cristian Cravinhos voltou à penitenciária de Tremembé nesta quinta-feira (19)

Reprodução Record TV

O ex-cunhado de Suzane von Richthofen, Cristian Cravinhos, foi levado na tarde desta quinta-feira (19) para a penitenciária dois de Tremembé (140 km de São Paulo). Ele voltou para o presídio oito meses depois de ter a pena progredida para o regime aberto.

Condenado por júri popular em 2002 a 38 anos de prisão pela morte dos pais de Suzane, em 2002, Cristian saiu da penitenciária de Tremembé em agosto do ano passado. Na madrugada de quarta-feira (18), no entanto, foi preso após possível agressão a uma mulher e uma suposta tentativa de suborno a policiais.

Antes de ser transferido para Tremembé — penitenciária que concentra presos em casos de grande repercussão —, Cristian ficou preso durante um dia no CDP (Centro de Detenção Provisória) de Sorocaba.

Mesmo não podendo sair da capital paulista sem comunicar à Justiça, Cristian foi detido na quarta-feira no bairro Trujillo, na região central de Sorocaba (100 km de São Paulo). A polícia chegou ao ex-cunhado de Suzane após uma denúncia de briga de casal.

No local, policiais militares teriam encontrado um projétil de calibre 9 mm em posse de Cristian. Ele ainda teria oferecido R$ 1.000 aos PMs e uma moto para que a prisão não fosse consumada. Em busca no local, a polícia ainda teria encontrado uma arma atribuída a Cristian.

Procurado pela reportagem, o advogado Ivan Peterson Camargo, responsável pela defesa de Cristian, disse que vai "trabalhar para provar que ele não cometeu nenhum crime".

O defensor ainda disse que "não havia arma com ele e também não teve o suborno. O passo seguinte será tentar reaver o benefício do regime aberto".

Conforme o advogado, ele foi a Sorocaba para se encontrar com uma namorada, mas foi seguido pela ex-mulher. Abordado próximo de um bar, ele teria agredido a ex, que chamou a polícia. Além de R$ 1 mil, Cristian teria oferecido uma moto aos policiais.

Volta às ruas

Cristian Cravinhos estava cumprindo pena em regime aberto desde agosto do ano passado, depois de deixar o presídio em Tremembé. A progressão de pena dele foi expedida pela Vara de Execuções Criminais de Taubaté (130 km de São Paulo).

As investigações apontaram que o crime de assassinato contra o casal Manfred e Marísia von Richthofen foi orquestrado pelo pelo casal Daniel e Suzane e executado com participação de Cristian.

Os três foram presos ainda em 2002 e condenados em 2006. Suzane e Daniel receberam pena de 39 anos de prisão, enquanto Cristian foi condenado a 38 anos e seis meses. Todos em regime inicialmente fechado.

O ex-casal continua preso em Tremembé, no regime semiaberto, e aguardam decisão da Justiça sobre o pedido de cumprirem a pena em liberdade.

Presídio de Tremembé

A unidade prisional no interior paulista é conhecido como "presídio de Caras" por concentrar detentos de crimes de grande repercussão na mídia. Além dos irmãos Cravinhos, veja outros presos da penitenciária de Tremembé que cometeram crimes que ficaram "famosos":

Alexandre Nardoni, apontado como responsável pelo assassinato de sua filha, Isabella, 5 anos, em 29 de março de 2008. Ele foi condenado a 31 anos, um mês e 10 dias de prisão a ser cumpridos em regime fechado. A esposa dela na época do crime, Anna Carolina Jatobá, está no presídio feminino da mesma cidade.

Lindemberg Fernandes Alves, condenado a 98 anos de prisão pela morte de Eloá Cristina Pimentel em outubro de 2008. A condenação dele foi em 2012, e ele deve ficar detido durante o período máximo permitido no país: 30 anos.

Antônio Marcos Pimenta Neves, condenado a pela morte de Sandra Gomide, em 20 de agosto de 2000. O jornalista foi levado para o presídio de Tremembé em maio de 2011. Ele foi condenado a 19 anos e dois meses por matar a ex-namorada e também jornalista.

    Access log