Filho pede ajuda ao pai após amigo ser chamado de "preto e gordo"

Em festa infantil, criança diz "não fiz bullying, defendi ele". Nas redes sociais, pai desabafa e conversa viraliza: nenhuma criança nasce preconceituosa

Mensagens mostram desabafo de filho sobre episódio de bullying em festa

Mensagens mostram desabafo de filho sobre episódio de bullying em festa

Reprodução Record TV

Um desabafo sobre bullying publicado na redes sociais no sábado (23), registrado por um aplicativo de conversas entre pai e filho, alcançou mais de 100 mil compartilhamentos ao narrar um espisódio de discriminação e racismo em uma festa infantil em Marília, no interior de São Paulo.

Leia mais: Mais da metade da população de SP só não vê racismo em ‘casa’

O garoto escreveu para o pai, Mateus Barboza, que compartilhou o conteúdo nas redes sociais. Na mensagem, ele diz: "pai, vem me buscar fazendo o favor? não quero ficar na festa do Gabriel. Você sabe que o Rafa é meu melhor amigo da escola, né? Aí, o Gabriel e os outros meninos estão fazendo bullying com o Rafa. Estão chamando ele de preto e gordo", disse pelo Whatsapp.

Na mesma mensagem, o desabafo continua: "eu não fiz bullying. Eu defendi ele e falei para parar. Aí, eu falei para o pai do Gabriel e pro homem que está vestido de Minecraft mas eles deram risada. Agora, a gente está aqui sozinho", afirmou. "Pai quando você vier, pega o Rafa também para gente não deixar meu amigo aqui sozinho", pediu. 

Leia mais: Bullying assusta pais e alunos em uma das escolas mais caras de SP

Mateus respondeu ao filho que estava a caminho de buscá-lo. "Chego em 10 minutos e fica tranquilo que vamos levar o Rafinha, sim. Se esses meninos tentarem qualquer coisa e você precisar se defender, se defensa. As aulas são para isso", escreveu.

Na noite do dia 23, Mateus escreveu em suas redes sociais que ficou "extremamente triste com a situação". "Por outro lado, feliz pela atitude do meu filho em não se juntar aos outros meninos. Mas fica a reflexão."

Leia mais: Problema social, bullying afeta metade das crianças do mundo

Ele disse ainda que "nenhuma criança nasce preconceituosa e, muito menos, agressiva ou seja, ela aprende isso de alguma forma e na maioria das vezes é em casa, com base na educação que os pais dão e principalmente no comportamento deles. Então pensem bem no tipo de exemplo que vocês pais dão a seus filhos."