GCM acaba com festa clandestina durante quarentena na Grande SP

Evento aconteceu em local fechado e reuniu ao menos 100 jovens sem máscaras. Responsável pela festa foi encaminhado ao DP, mas foi liberado

GCM acaba com festa clandestina durante quarentena na Grande SP

GCM acaba com festa clandestina durante quarentena na Grande SP

Reprodução / Record TV

A GCM (Guarda Civil Metropolitana) encerrou uma festa clandestina com diversos jovens aglomerados em um espaço fechado na Vila Assunção, em Santo André, na região metropolitana de São Paulo entre a noite desta sexta-feira (17) e o início da madrugada deste sábado (18).

Leia mais: PM faz operação para impedir bailes funk na zona leste de SP

Os agentes receberam denúncias de que estava acontecendo uma festa clandestina na avenida Visconde de Mauá esquina com a rua Javaés e foram até o local realizar a checagem e abordagem dos jovens.

Ao chegar no endereço, viram que realmente estava acontecendo um evento com portas fechadas. Os agentes dispersaram os participantes. Alguns jovens foram revistados na saída para constatar se alguém estava armado ou apresentava perigo.

Veja também: Bombeiros combatem incêndio em montanha mais alta de São Paulo

Em meio à pandemia de covid-19 e a imposição de quarentena para barrar a propagação do novo coronavírus, os jovens estavam na festa sem o uso de máscaras ou outro tipo de equipamento de proteção individual.

De acordo com a Polícia Civil, o proprietário do local foi encaminhado ao 1° DP de Santo André, onde assinou um termo circunstanciado e foi liberado em seguida.

Leia ainda: Prefeitura cancela festa de Ano-Novo na Avenida Paulista

Em nota, a GCM informou que foi acionada para verificar a existência de uma festa que causava transtorno ao sossego público. No local, os agentes identificaram que havia aglomeração de pessoas em desacordo com as medidas sanitárias, além de barulho, e solicitaram o encerramento das atividades, pedido que foi atendido.

Mas, momentos depois, uma nova solicitação foi realizada pela população e as equipes retornaram ao endereço. Eles verificaram a presença de cerca de 100 pessoas. O promotor e responsável pelo local foi autuado por infração de periclitação da vida e da saúde.