Governo de SP usa norma técnica para PM buscar armas na Europa

Dois tenentes, um major e três capitães ficarão na Áustria. Em nota, a SSP informou que a viagem é necessária, por se tratar de produto controlado

PMs de SP irão passar nove dias em cidade da Áustria que fabrica armas

Arma da Glock, empresa situada na cidade que PMs irão visitar na Áustria

Arma da Glock, empresa situada na cidade que PMs irão visitar na Áustria

Reprodução Glock

Dois tenentes, um major e três capitães da Polícia Militar do Estado de São Paulo irão passar nove dias em Deutsch Wagram, na Áustria, para receber armas de fogo que, posteriormente, serão entregues à corporação.

A cidade austríaca abriga a Glock, uma empresa que fabrica armas e as vende para as Forças de Segurança brasileira.

De acordo com o Diário Oficial do Estado, os tenentes coronéis Marco Aurélio Valério e Yurio Edson Caldas Marques de Abreu, o major Sérgio Harumi Nishi e os capitães Cézar Augusto Monteiro da Silva Raymundo, Álvaro Zocchio Júnior e Wellington Michel dos Reis Silva embarcam nesta sexta-feira (14) e ficam na Europa até o dia 23, dois dias antes do feriado do Natal.

Leia mais: PM que matou líder da Dragões da Real tem promoções até aposentar

Os policiais mencionados trabalham na Diretoria de Logística, Centro de Material Bélico, Comando de Policiamento de Choque, Gate e COE e formam uma comissão técnica, nomeada pelo Comando da Polícia Militar.

A viagem foi autorizada pelo atual governador Márcio França (PSB) com base no artigo 69, da Lei 10.261/68 — ordem que regula os afastamentos de funcionários para participação em congressos e outros certames culturais, técnicos ou científicos. A PM justificou a viagem para "efetuar o recebimento provisório do material bélico".

Confira: João Doria anuncia o comandante da PM e o chefe da Polícia Civil de SP

Em nota, a SSP (Secretaria de Segurança Pública) informou que a viagem dos cinco PMs é necessária, por se tratar de produto controlado, o qual depende de exportação do governo austríaco e de importação do governo brasileiro. "A conferência da carga é feita na sede do fabricante para que se evitem erros de envio e perda de tempo com eventuais correções ou substituições", acrescentou. Por fim, a pasta diz que a empresa é quem suportará os custos decorrentes da viagem, "inclusive com fornecimento de alimentação e hospedagem".

Veja também: PM é suspeito de matar colega e queimar o corpo no interior de SP

As primeiras instalações da empresa Glock foram feitas em 1963, em Deutsch Wagram — a cidade que os PMs paulistas irão visitar nos próximos nove dias. No início, eram produzidos bens de consumo de madeira, polímeros e metal. A empresa chegou ao Brasil no início do ano passado e tem seu escritório no Jardim Europa, bairro nobre da capital paulista.

As principais características da pistola Glock são: arma leve, ótima ergonomia, confiável, alta durabilidade e com acabamento resistente. É feita com liga de polímero e aço carbono teniferizado. O FBI, órgão de investigação federal norte-americano, GIGN, forças especiais francesas, entre outros exércitos, como austríaco e britânico, fazem o uso das pistolas. Em solo brasileiro, o calibre 9mm é de uso exclusivo da Polícia Federal e Forças Armadas, modelo G17.

No final do ano passado, a Polícia Militar revogou uma licitação internacional da compra de 5.000 pistolas .40. Foi a primeira licitação aberta para a compra de armas após monopólio de fabricante nacional, a Taurus.