São Paulo PMs e guardas são presos após matar motorista em São Bernardo

PMs e guardas são presos após matar motorista em São Bernardo

Flávio Santos de Amorim, de 31 anos, é morto a tiros durante perseguição. Na versão da PM, veículo teria desobedecido ordem e tentado fugir

  • São Paulo | Guilherme Alves e Letícia Dauer, da Agência Record

Mortista de app morte pela PM e GCM

Mortista de app morte pela PM e GCM

Arquivo pessoal

Cinco guardas civis e um policial militar foram presos em flagrante após matar um motorista de aplicativo durante perseguição, em São Bernardo do Campo, na Região Metropolitana de São Paulo, na manhã do sábado (12).

Leia também: Segurança é morto após assalto no shopping Metrô Boulevard Tatuapé

Imagens, gravadas por um celular, registram parte da perseguição na avenida Nelson Mandela. No vídeo, é possível ver viaturas da Polícia Militar e da Guarda Civil Municipal tentando cercar um carro, modelo Chevrolet Classic, na cor vermelha.

Em seguida, guardas civis e policiais descem das viaturas e atiram, enquanto o motorista continua fugindo. A perseguição só termina após um quilômetro em uma rua estreita.

Veja ainda: Adolescente de 16 anos morre estrangulada por namorado em SP

O condutor Flávio Santos de Amorim, de 31 anos, foi morto a tiros. O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) constatou a morte no local. No carro, foram encontrados vidros quebrados e marcas de balas.

A Prefeitura afirmou, por meio de nota, que não compactua com nenhuma forma de abuso cometido pelos guardas e instaurou procedimento interno para apurar a conduta dos envolvidos. Segundo a administração municipal, caso os guardas respondam o processo em liberdade, serão afastados dos serviços operacionais.

"Uma audiência de custódia será realizada neste domingo (13) e, caso os guardas sejam soltos para responder em liberdade, serão afastados dos serviços operacionais e transferidos para funções administrativas. Caso contrário, continuarão à disposição da Justiça", declarou a prefeitura.

Flávio Santos de Amorim, de 31 anos foi velado e sepultado na manhã deste domingo (13), no Cemitério do Carminha, localizado na Rua Leonel Guarnieri, número 1, em São Bernardo do Campo.

A Secretaria de Segurança Pública informou que a Central de Monitoramento do Município de São Bernardo do Campo pediu apoio para a Polícia Militar a fim de acompanhar um veículo que tinha desobedecido à ordem de parada da GCM e tentado fugir. 

Segundo a versão da pasta, o motorista do veículo acompanhado atropelou um motociclista, fez menção de atropelar os agentes e fugiu. "Houve disparos por parte dos GCM e do Policial Militar. O motorista veio à óbito. Ocorrência registrada no 1º Distrito de São Bernardo do Campo, como homicídio simples, morte decorrente de intervenção policial, resistência e fuga de local de acidente." Foi solicitada perícia no local, além de exames dos indiciados e da vítima ao IML.

Na delegacia, os agentes ainda afirmaram que atiraram no motorista porque pensavam que ele estivesse armado.

Versão da família

De acordo com a família, Flávio trabalhava como motorista particular. O rapaz estaria trabalhando e teria ido a uma festa durante a madrugada do sábado (12). O irmão do motorista, Antônio Carlos, contou que ele bebia e era usuário de drogas, mas nunca esteve envolvido com crimes e não tem passagem pela polícia.

Veja também: Retratista da Polícia Civil morre após ser internado por covid

A família nega que tenha ocorido uma troca de tiros. Eles contam que Flávio poderia ter tentado fugir pois estava com a documentação do veículo atrasada, e já perdeu outros carros anteriormente por este motivo. O carro não está no nome de Flávio.

Investigadores estiveram no local, onde o motorista foi baleado, à procura de imagens de câmera de segurança. O caso foi registrado como homicídio doloso, quando há intenção de matar, no 1° Distrito Policial de São Bernardo do Campo, segundo o repórter Mitchel Diniz.

Últimas