Prima de modelo morta contesta versão de delegado baleado em SP

Troca de mensagens mostra que delegado teria bom relacionamento com a família da modelo e ela se preparava para casamento no cartório

Troca de mensagens entre prima e Priscila será analisada pela polícia

Troca de mensagens entre prima e Priscila será analisada pela polícia

Reprodução/ Record TV

A prima e melhor amiga da jovem Priscila Delgado Bairros, de 27 anos, namorada do delegado Paulo Bilynskyj, de 33 anos, que está internado após ter sido baleado em seu apartamento em São Bernardo do Campo, em São Paulo, nega que ela tenha tirado a própria vida, com um tiro no peito.

De acordo com informações da repórter Priscila Doroche, da Record TV, a prima afirma que tudo no relacionamento teria acontecido muito rapidamente e que quando os amigos e familiares conheceram Paulo teriam entendido a cumplicidade do casal. "Até certo ponto a gente pode intervir, mas tem coisas que só a pessoa pode fazer. O Paulo fazia de tudo para agradar ela. Super querido e protetor."

Leia mais: Delegado baleado em casa deverá passar por novas cirurgias em SP

Priscila Delgado Bairros se dedicava à organizar a cerimônia de casamento no cartório com Paulo, que aconteceria dia 5 de junho. Ela e a prima se falaram pela última vez no dia 13 de maio. Segundo ela, a modelo pediu à amiga dicas de lojas de roupas para usar no casamento. "Preciso ver logo para dar tempo de chegar", disse Priscila à prima.

"Ela era muito preciosa e eu falei isso pra ele quando ele estava na minha casa. Falei olhando no olho dele, você sabe que você está levando uma joia para a sua casa. Cuida dela. Ele prometeu que ia cuidar dela. Não era assim que era para ter terminado."

Segundo a Record TV, Paulo trocava mensagens com a mãe da namorada, a quem chamava de "sogrinha". "Oi, Sogrinha, tudo bem? Amanhã cedinho eu tô indo para Curitiba para buscar a Priscila, e a gente vai se conversando, mas pode deixar que eu vou cuidar muito bem dela. Fica tranquila. Um super abraço."

Leia mais: Delegado baleado em São Bernardo (SP) é investigado pela Corregedoria

As mensagens, obtidas com exclusividade pela Record TV, mostram que depois de se mudar para o apartamento de Paulo, Priscila mandou uma mensagem para a prima, no final de abril, em que fez uma revelação. "O pai do Paulo não sabe que vim morar aqui. Ele acha que eu vim só passar alguns dias."

Em outra mensagem, a modelo fala que o casal iria visitar os pais dela no sul no fim se semana e enviou os comprovantes das passagens aéreas. "A gente vai semana que vem lá pra Parobé. Dia 22. A gente vai na sexta e volta no domingo. O Paulo tá muito ansioso pra conhecer meus pais, daí a gente vai pra lá. E amanhã, à princípio a gente vai marcar o casamento."

"Sogrinha, ontem a noite a gente comprou as passagens para vocês virem, tá? Já está tudo garantido. A gente conseguiu um preço bom", disse o delegado nas mensagens. 

Um primo de Priscila, que prefere não se identificar, questiona o fato de que a pistola que a modelo teria usado para atirar estaria sem o carregador e com um projétil ainda inteiro. "Como esta arma estaria descarregada e desmuniciada", diz o primo. "É uma lacuna que fica, né? Inexplicável", afirma. 

Agora, os investigadores da polícia devem investigar o conteúdo das mensagens para apurar o que aconteceu no apartamento do casal. Na versão do delegado, Priscila teria tentado matá-lo por ciúmes depois de ver uma mensagem de outra mulher no celular dele.