Professora é enterrada vestida de noiva no dia em que se casaria

Jovem de 23 anos foi atropelada a caminho da escola onde trabalhava. Ela iria se despedir dos colegas antes da lua de mel com seu futuro marido

Jovem de 23 anos foi atropelada a caminho da escola onde trabalhava

Jovem de 23 anos foi atropelada a caminho da escola onde trabalhava

Reprodução/ Facebook

A professora Milena Toschi de Andrade, de 23 anos, foi enterrada vestida de noiva nesta sexta-feira (1º) em São Paulo, no dia em que se casaria. Ela foi atropelada por uma moto e não resistiu aos ferimentos e morreu. Há oito anos junto com o namorado, eles celebrariam o casamento hoje.

O episódio ocorreu na Rodovia Manuel Silvério Pinto, em Francisco Morato, na Grande São Paulo. O motociclista não se feriu. Milena morreu a caminho da escola onde trabalhava, em Franco da Rocha. Moradores da região e amigos do casal protestaram pelas condições da via, queimando pneus e pedindo por justiça.

A Prefeitura de Francisco Morato informou que reparos estão programados no local, e que aguarda a liberação de verbas do estado. O projeto consiste em recapear a pista, reduzir a velocidade no local, além de melhorar a sinalização.

Sonho da vida 

Por decisão da mãe e do companheiro, Ivan Viana, Milena foi enterrada com o vestido que se casaria. Ela já estava com a viagem programada para Cancún, como comemoração da lua de mel após o casamento.

Leia mais: 'Iríamos realizar nosso sonho', diz noivo de professora atropelada

Além da viagem e festa, eles tinham o apartamento comprado na planta, com plano de morarem juntos. Milena estava com namorado há 8 anos.

O caso

De acordo com a Polícia Civil, Milena teria tentado atravessar a rua, de forma repentina, fora da faixa de pedestre. Por conta do fluxo de veículos, o motoqueiro, de 21 anos, não conseguiu frear, atingindo a vítima.

A PM foi acionada e iniciou os primeiros socorros. O condutor, que não apresentava sinais de embriaguez, também prestou apoio à vítima. Ainda segundo a polícia, os dois foram encaminhados ao Hospital Estadual de Francisco Morato, também conhecido como Hospital Lacaz, onde ela não resistiu aos ferimentos e morreu.

O caso foi registrado como homicídio culposo na direção de veículo automotor na Delegacia Central de Francisco Morato. A Polícia Civil reitera que a ocorrência trata-se apenas de um acidente de trânsito.