Secretário de Cultura de SP diz que Carnaval tem 'problemas pontuais'

Apesar das brigas, furtos e arrastões, Alê Youssef destacou que 'autoridades responderam bem aos desafios' impostos no Carnaval de rua

'Autoridades responderam bem aos desafios', afirmou Alê Youssef

'Autoridades responderam bem aos desafios', afirmou Alê Youssef

Divulgação

O secretário de cultura da cidade de São Paulo, Alê Youssef, afirmou nesta terça-feira (25) que o Carnaval 2020 tem "problemas pontuais naturais de um evento dessa magnitude".  Ele disse ainda que as "autoridades responderam bem aos desafios".

Um dos agentes públicos envolvidos diretamente com a organização e execução do Carnaval de São Paulo, Youssef acompanhava o desfile do Galo da Madrugada, cortejo que faz muito sucesso no Nordeste e que pela primeira vez foi "importado" para as ruas da capital paulista.

Leia mais: Carnaval em SP tem show sertanejo e 'Nova' Parada Gay

Neste ano, o município estima que 15 milhões de foliões devem acompanhar o carnaval da cidade, número que se confirmado será superior aos 14 milhões do ano passado - ao todo, serão 678 blocos de rua na capital paulista, ou 38,5% a mais do que o número registrado no ano passado.

Marcado por cenas bonitas, como a realização de uma cerimônia de casamento em pleno bloco, o Carnaval de São Paulo também teve brigas, como a que interrompeu o bloco comandado pelo jogador Daniel Alves, do São Paulo. Apenas no sábado, mais de 300 pessoas foram presas.

Veja também: Homem é esfaqueado em tentativa de assalto durante bloco no centro

"O Carnaval está vivendo uma explosão na cidade. Este é um Carnaval inclusivo e diverso, espalhado por todas as subprefeituras. Um Carnaval democrático e muito positivo", afirmou Youssef. Sobre os problemas relatados até o momento, ele afirmou se tratar de aprendizado.