São Paulo Seis presos apontados como líderes do PCC vão para presídio federal

Seis presos apontados como líderes do PCC vão para presídio federal

Segundo promotor, Justiça deve determinar a transferência de um sétimo preso. Detentos são apontados como membros do 1º e 2º escalão da facção

Cúpula do PCC

Cúpula do PCC transferida e que foi alvo da Operação Echelon

Cúpula do PCC transferida e que foi alvo da Operação Echelon

Reprodução/MP

A Justiça de São Paulo determinou a transferência de seis presos apontados como membros da liderança da facção criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital). A decisão diz que eles devem ser encaminhados para presídio federal.

De acordo com o promotor de Justiça Lincoln Gakyia, responsável pela Operação Echelon, a Justiça determinou a transferência dos seis presos que estão no RDD (Regime Disciplinar Diferenciado), de Presidente Bernardes, e deve expedir o mandado para transferência de mais um suposto integrante da cúpula da facção.

Os presos foram apontados pela Operação Echelon como membros da cúpula de primeiro e segundo escalão do Primeiro Comando da Capital depois que o preso apontado como líder máximo da facção, Marcos Willians Herbas Camacho, o Marcola, foi para o Regime Disciplinar Diferenciado.

Após a operação, que foi deflagrada pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado), do Ministério Público de São Paulo, juntamente com a Polícia Civil, os sete presos também foram transferidos da Penitenciária de Presidente Venceslau para o RDD.

Veja também: Polícia e MP deflagram Operação Echelon contra o PCC em 14 Estados

Segundo o promotor Gakyia, ainda não se sabe para quais penitenciárias federais os presos serão transferidos. Ele disse que o Depen (Departamento Penitenciário Nacional) deve definir o destino dos presos.

Transferidos

Dos sete presos apontados como "Sintonia Final dos Estados e Países", apenas Célio Marcelo da Silva, conhecido como Bin Laden, não teve o mandado de transferência decretado.

Os outros seis presos que devem ser transferidos são: Cláudio Barbará da Silva, conhecido apenas como Barbará; José de Arimatéia Pereira Faria Carvalho, o Pequeno; Cristiano Dias Gangi, o Crisão; Reginaldo do Nascimento, o Jatobá; Almir Rodrigues Ferreira, conhecido como Nenê do Simione; e Rogério Araújo Taschini, o Rogerinho.

As transferências foram determinadas individualmente, em decisões expedidas pelo juiz Paulo Eduardo de Almeida Sorci, da 5ª Vara das Execuções Criminais.