São Paulo Taxa de homicídios contra mulheres cai em São Paulo

Taxa de homicídios contra mulheres cai em São Paulo

Dado foi divulgado no Atlas da Violência, que analisou indicadores criminais entre 2008 e 2018. Índice apresentou queda de 36,3% 

São Paulo é o estado com menor índice de ocorrências em todo país

São Paulo é o estado com menor índice de ocorrências em todo país

Freepik

A taxa de homicídio contra mulheres caiu em São Paulo, segundo o Atlas da Violência 2020, divulgado na quinta-feira (27). Agora o estado é o lugar com menor índice de ocorrências em todo país.

Leia também: Investigação sobre agressão no Jockey Clube de SP é retomada

O estudo - que é elaborado pelo Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) em parceria com o FBSP (Fórum Brasileiro de Segurança Pública) - analisou indicadores criminais durante uma década - no intervalo entre os anos de 2008 e 2018 - e apresentou os números paulistas com os melhores resultados.

Na avaliação feita sobre os dados de violência cometida contra as mulheres, o índice nacional subiu e alcançou a marca de 4,3 mortes, contra 2 a cada grupo de 100 mil habitantes registrado no estado de São Paulo.

Em 2008, a taxa do Brasil era de 4,1 enquanto a de SP 3,1. O dado apresentou queda de 36,3%, isso porque o estado de SP é pioneiro no aprimoramento de políticas de combate à violência de gênero, de acordo com informações da SSP (Secretaria de Segurança Pública).

Defesa da mulher 

Desde o início da atual gestão, a violência doméstica e contra a mulher é enfrentada em todas as suas vertentes, de acordo com a SSP.

Leia também: Após exames no IML, Abdelmassih é conduzido para Tremembé (SP)

Desde o início da quarentena decretada pelo Governo de SP, a Delegacia Eletrônica começou a registrar casos de violência doméstica em São Paulo. De acordo com a Delegada Jamila Ferrari, o projeto de atendimento eletrônico já estava sendo planejado pela Polícia Civil e teve o lançamento antecipado por conta da crise da covid-19.

O serviço é mais uma ferramenta para proteger as mulheres dentro das suas casas. Somente na quarentena, mais de 9 mil registros eletrônicos foram contabilizados. Mesmo com a opção eletrônica, o atendimento presencial segue normalmente nas 135 DDMs do Estado.

Leia também: SP oferece vagas gratuitas em cursos tecnológicos para mulheres

Durante este período, foi ampliada a estrutura de acolhimento das vítimas no estado, além do aumento na quantidade de delegacias especializadas e a expansão de uma para 10 as unidades preparadas para receber a população a qualquer hora do dia ou da noite.

O governo de São Paulo também lançou o aplicativo SOS Mulher, que prioriza o atendimento policial às pessoas com medidas protetivas concedidas pela Justiça. Desde o lançamento, em março de 2019, a plataforma atingiu 15.765 downloads ativos, com 14.293 cadastros.

Ainda há o Programa Bem Me Quer, desenvolvido pela SSP em parceria com outras secretarias, para atendimento de vítimas de abusos sexuais - mulheres e crianças e adolescentes do sexo masculino de até 14 anos. De janeiro a julho de 2020 foram realizados 672 atendimentos.

Últimas