São Paulo Violência contra Mulher é debatida em estações de transporte público

Violência contra Mulher é debatida em estações de transporte público

Campanhas de conscientização ocorrem nesta segunda (25) quando é celebrado o Dia Internacional de Combate à Violência Contra a Mulher

Plataforma do governo de São Paulo pretende auxiliar mulheres gratuitamente

Plataforma do governo de São Paulo pretende auxiliar mulheres gratuitamente

Divulgação

O Dia Internacional de Combate à Violência Contra a Mulher é celebrado nesta segunda-feira (25) e ações de conscientização sobre o tema acontecem em três estações do transporte público. Os crimes contra a mulher já são considerados um dos grandes desafios dos Direitos Humanos.

Na Estação Brás, que integra sete linhas de metrô e trens, os voluntários orientam até às 14h mulheres com dicas de segurança, saúde e independência financeira, que são os três pilares da plataforma SOS Mulher. 

Leia mais: A cada dois minutos, uma mulher é vítima de violência doméstica

A iniciativa é uma parceria da Secretaria dos Transportes Metropolitanos com o Fundo Social de São Paulo e a Prodesp (Companhia de Processamento de Dados do Estado de São Paulo) voltada para mulheres em risco de sofrer violência doméstica.

O site - www.sosmulher.sp.gov.br- pretende incentivar o compartilhamento do conteúdo para que as informações atinjam o maior número possível de mulheres. Toda segunda e quinta-feira são disponibilizados vídeos com dicas rápidas de advogadas, delegadas, médicas e promotoras de justiça.

Veja também: Garçonete é esfaqueada pelo ex-namorado em Araraquara (SP)

Também nesta segunda-feira, os passageiros do Terminal Jabaquara da EMTU podem participar de uma roda de conversa com o Bem Quer Mulher, um programa criado em 2004 com apoio da ONU Mulheres. As agentes esclarecem dúvidas e orientam as passageiras até às 14h.

Segundo o governo, o objetivo é transformar medos em confiança e superação.  As vítimas que quiserem podem ser encaminhadas a um dos centros de atendimento: no Jabaquara, na zona sul, e Itaim Paulista, na zona leste, para avaliações psicológicas.

Já no Terminal Diadema, representantes da ONG Casa Beth Lobo vão conversar com os passageiros sobre os direitos da mulher. Se for preciso, vítimas serão encaminhadas para a sede da instituição que, há 21 anos, auxilia pessoas em situação de agressão e perigo.

As ações têm o objetivo de chamar atenção para o tema e incentivar as mulheres a buscar ajuda e denunciar os crimes.

Últimas