Saúde Em um único dia, 26 mortes por ebola são confirmadas no Congo

Em um único dia, 26 mortes por ebola são confirmadas no Congo

A doença já matou 957 pessoas na República Democrática do Congo; maior parte das mortes ocorreu fora de hospital, aumentando risco de contágio

  • Saúde | da EFE

O ebola já matou mais de 900 pessoas na República Democrática do Congo

O ebola já matou mais de 900 pessoas na República Democrática do Congo

Ahmed Jallanzo/EPA/Agência Lusa

O Ministério da Saúde da República Democrática do Congo (RDC) confirmou 26 mortes por ebola em apenas um dia. A doença castiga duas províncias do Nodeste do país, que já acumulam 957 registros de óbitos pela doença.

A maior parte das mortes, 15, aconteceram fora de um hospital, o que aumenta a possibilidade de contágio, em um momento no qual o vírus é mais propenso a se disseminar.

Leia também: Bebê de 6 dias é o mais jovem da história a vencer o vírus ebola

Segundo os dados divulgados ontem pelo Ministério da Saúde, o surto que afeta Kivu do Norte e Ituri desde 1º de agosto deixou, até 28 de abril, 957 mortos, sendo 891 confirmados em laboratório. Ao todo, são 1.466 casos registrados.

O controle do surto, o mais letal da história da República Democrática do Congo, foi dificultado pela rejeição de algumas comunidades a receber tratamento e pela insegurança na região, onde operam vários grupos armados.

O governo congolês publicou também os resultados de pesquisas realizadas nos últimos anos, que revelaram que dois de cada dez sobreviventes de ebola desenvolvem problemas oculares de diferentes tipos, desde inflamação dos olhos até perda total da visão.

Saiba mais: Entenda a real gravidade do ebola e a chance do vírus chegar ao Brasil

As autoridades não especificam se esses problemas se devem aos efeitos doenças  secundários da vacina VSV-ZEBOV, um tratamento experimental que não tem a aprovação oficial das organizações internacionais, mas que teve bons resultados nos últimos surtos da doença.

Leia também: Sobreviventes do ebola apresentam sequelas neurológicas, diz estudo

O Ministério de Saúde, junto à OMS, instalaram centros oftalmológicos nas cidades de Beni e de Butembo para fazer revisões médicas nos sobreviventes, assim que deixam os centros de tratamentos de ebola.

Saiba mais sobre doenças incomuns que parecem assustadoras:

Últimas