Tecnologia e Ciência Canto das baleias pode auxiliar no 'ultrassom' do fundo do mar

Canto das baleias pode auxiliar no 'ultrassom' do fundo do mar

Segundo estudo, sons emitidos pelos mamíferos são importantes para a análise de terremotos em áreas de preservação marinha

Baleias podem emitir sons com cerca de 189 decibéis

Baleias podem emitir sons com cerca de 189 decibéis

Pixabay

Cientistas que estudam o canto das baleias nos oceanos descobriram que os sons que esses mamíferos emitem podem servir como um "ultrassom do fundo do mar". A pesquisa foi divulgada na revista Science.

De acordo com os pesquisadores, o canto das baleias pode ser utilizado para analisar a crosta oceânica, estudar terremotos e também para mapear o fundo do oceano, principalmente em áreas de preservação marinha, onde não podem ser instalados canhões de ar sísmicos, dispositivos tradicionalmente usados para este tipo de pesquisa.

Leia mais: Hackers da Coreia do Norte tentam roubar vacina contra covid-19

“Nosso estudo demonstra que as vocalizações de animais são úteis não só para estudar os próprios animais, mas também para investigar o ambiente que eles habitam”, afirmaram os pesquisadores no artigo publicado.

Os canhões de ar são proibidos em áreas de preservação por emitirem ruídos muito altos, o que afeta diversos animais marinhos que utilizam os sons oceânicos para a sua navegação no fundo do mar, como as Baleias-Fin e Jubarte.

De acordo com os pesquisadores, o canto das baleias ainda não pode substituir totalmente estes canhões de ar, porque eles podem avançar em até 8 quilômetros de profundidade, enquanto o som dos mamíferos chegam a no máximo 3 quilômetros.

Para realizar este estudo, os cientistas focaram em sons emitidos por Baleias-Fin, que podem medir até 27 metros e pesar cerca de 70 toneladas. Os ruídos desta espécie possuem até 189 decibéis, que podem ser comparados a ruídos de grandes navios e fogos de artifício, segundo o estudo.

Foram analisadas seis canções destas baleias na pesquisa, totalizando 22 horas de gravações,  que foram captadas por sismômetros localizados em uma região próxima à costa do estado de Oregon, nos Estados Unidos.

*Estagiário do R7 sob supervisão de Thiago Calil

Últimas