Tecnologia e Ciência Estudo revela como morcegos-vampiros sobrevivem com uma dieta de sangue

Estudo revela como morcegos-vampiros sobrevivem com uma dieta de sangue

Espécie era um mistério para cientistas, já que o sangue é fraco em calorias e gordura, o que o torna um alimento 'terrível'

Resumindo a Notícia

  • Um estudo revelou como morcegos conseguem viver apenas sugando sangue
  • Os cientistas identificaram 13 genes perdidos pelos animais
  • Além disso, eles possuem o um sistema digestivo bastante diferente de outros morcegos
  • Sobreviver com um alimento fraco em calorias exige ainda mais habilidades sociais
Morcegos-vampiros são os únicos mamíferos que se alimentam exclusivamente de sangue

Morcegos-vampiros são os únicos mamíferos que se alimentam exclusivamente de sangue

Flickr/Mark Dumont (Sob Licença Creative Commons)

Um estudo científico revelou as diferenças genéticas que permitiram que morcegos-vampiros se alimentassem exclusivamente de sangue ao longo dos tempos. A dieta de sangue era considerada um pequeno mistério para biólogos, uma vez que o fluido é um alimento rico em ferro, mas quase desprovido de calorias e gordura, o que não o torna a mais indicada das fontes de alimento.

Apesar das lendas e do folclore que apontam os morcegos como vorazes devoradores de sangue, a maioria deles come frutas, insetos, néctar e até peixes. Apenas três espécies que vivem na América do Sul e Central se alimentam apenas de sangue (na verdade, são os únicos mamíferos capazes disso), sendo a principal o morcego-vampiro-comum (Desmodus rotundus).

Para se manterem vivos apenas com sangue, os vampiros sugam até 1,4 vezes o próprio peso da substâmcia a cada refeição. Um único morcego consome 800 vezes mais ferro que um humano com dieta comum, o que em situações normais poderia ser um risco para o sistema digestivo.

Estudos de 2014 compararam o material genético dos vampiros com 26 outras espécies de morcego, e identificaram três genes específicos ausentes ou inativos apenas entre os que se alimentam de sangue. No caso deles, ter menos genes é melhor para a sobrevivência, o que vai um pouco na contramão do que se entende por evolução genética.

A nova pesquisa — com coautoria de Michael Hiller, do Instituto Max Planck, da Alemanha, e publicada no periódico Science Advances — identificou 10 outros genes que os vampiros não possuem ou não usam.

A perda de um destes genes faz com que esses animais percebam menos o sabor, enquanto outro os faz demorar mais para eliminar carboidratos, um componente quase ausente na dieta deles e importante para a sobrevivência.

O formato do estômago dos vampiros também é diferente, e possui um formato cônico, segundo o estudo, o que facilita expelir a água do sangue e absorver compostos sólidos e nutricionais da substância.

Imagem mostra os efeitos das perdas de genes entre os vampiros

Imagem mostra os efeitos das perdas de genes entre os vampiros

Reprodução/Science Advances

Especialistas já haviam percebido que esses morcegos começam a urinar quase imediatamente após sugar o sangue de uma refeição, geralmente de gado, à noite.

Outro gene perdido, o REP15, era responsável pela absorção de ferro. A perda dele evita sobrecarga com os índices elevados de ferro consumidos por eles.

Os cientistas destacam ainda a perda do gene CYP39A1, o que provavelmente foi responsável por tornar os vampiros mais inteligentes e sociáveis que outros morcegos.

Como nem sempre eles encontram sangue suficiente para sobreviver, é bastante comum ver um vampiro regurgitando na boca de um colega, mesmo que não o conheça ou seja próximo socialmente dele. Mas ser um doador de sangue também fez com que eles tivessem uma memória melhor, já que é comum que retribuam o favor posteriormente, de acordo com o estudo.

Mesmo com grande parte da genética dos morcegos-vampiros descortinada, os especialistas ressaltam que eles continuam muito intrigantes e excepcionais. Uma série de novos estudos ainda é necessária para entender detalhes específicos do comportamento deles e como se diferenciam de outros morcegos.

LEIA ABAIXO: Nova espécie de peixe com cores inacreditáveis é identificada por cientistas

Últimas