Prefeito de Charlottesville culpa Casa Branca por violência entre supremacistas brancos e grupos antirracistas

Mike Signer também agradeceu a Donald Trump por condenar as manifestações de ódio

Grupos entraram em confronto na cidade de Charlottesville, no estado americano de Virginia
Grupos entraram em confronto na cidade de Charlottesville, no estado americano de Virginia Reuters

O prefeito de Charlottesville, Mike Signer, afirmou no Twitter que a Casa Branca é culpada pelas cenas de violência entre supremacistas brancos e grupos antirracistas vistas na cidade neste sábado (12). "Não vou usar meias palavras sobre isso: eu ponho a culpa por muito do que está acontecendo em nosso país hoje na Casa Branca e nas pessoas que cercam o presidente", escreveu Signer.

Carro em alta velocidade atropela pedestres durante manifestação de extrema-direita nos EUA. Assista

Em outro post, o prefeito agradeceu a Donald Trump por condenar as manifestações de ódio.

— Donald Trump, obrigado, finalmente, por condenar o ódio em palavras e ações. Nosso trabalho está apenas começando por aqui. E o seu também.

Em pronunciamento, Trump reforçou que coondena de forma veemente "esta exibição flagrante de ódio, fanatismo e violência de muitos lados, que acontece há muito tempo em nosso país". O presidente ressaltou que a violência esteve presente nos dois lados do confronto entre os supremacistas brancos (manifestantes que pregam a superioridade dos brancos) e grupos antifascistas (que defendem as populações de negros, gays, imigrantes, entre outras).

Conflito generalizado

Na noite de sexta-feira (11), centenas de homens e mulheres carregando tochas fizeram uma vigília em Charlottesville gritando palavras de ordem contra negros, imigrantes, homossexuais e judeus. A cidade seria palco hoje do evento "Unir a Direita", que deveria reunir mais de mil participantes, incluindo os principais líderes de grupos associados à extrema direita no país, para protestar contra a retirada de uma estátua de um general confederado — o objeto é criticado por glorificar a era da escravidão nos Estados Unidos.

Antes do evento, no entanto, um grupo de manifestantes antirracistas realizou um contra-protesto, entrando em confronto em seguida com os supremacistas brancos.

Em meio à briga generalizada, um carro em alta velocidade entrou na confusão e se chocou contra outros dois carros, deixando pelo menos 19 feridos. Uma pessoa morreu.