Logo R7.com
Logo do PlayPlus
R7 Brasília
Publicidade

Após invasões, Lula decreta intervenção federal no Governo do Distrito Federal

Manifestantes invadiram a sede dos Três Poderes em Brasília, neste domingo (8); até o momento, ao menos 400 foram presos

Brasília|Plínio Aguiar, do R7, em Brasília

Presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) durante reunião, em Brasília
Presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) durante reunião, em Brasília Presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) durante reunião, em Brasília

Após a invasão da sede dos Três Poderes em Brasília, na tarde deste domingo (8), o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) editou um decreto de intervenção federal no Governo do Distrito Federal até o dia 31 de janeiro. Até as 20h30, ao menos 400 pessoas já tinham sido presas, de acordo com o governador Ibaneis Rocha (MDB).

O objetivo da intervenção é "pôr termo a grave comprometimento da ordem pública" no Distrito Federal, marcado por atos de violência e invasão de prédios públicos. A medida será coordenada pelo interventor Ricardo Garcia Cappelli, atual secretário-executivo do Ministério da Justiça.

De acordo com o decreto, o interventor fica subordinado ao presidente da República e não está sujeito às normas distritais que conflitarem com as medidas necessárias à execução da intervenção. Em pronunciamento, Lula afirmou que houve "falta de segurança" e que as pessoas autoras dos crimes serão "encontradas" e "punidas". 

"Esses vândalos, que podemos chamar de fascistas, fanáticos, fizeram o que nunca foi feito na história desse país", disse o presidente. "Essa gente terá que ser punida. Vou voltar para Brasília, visitar os três palácios que foram quebrados. Isso não se repetirá. Vamos descobrir quem pagou os ônibus, quem pagava estadia, churrasco todo dia e essa gente toda vai pagar. E da parte do governo federal, se houve omissão, também será punido. Não vamos admitir", completou.

Publicidade

O presidente disse, ainda, que "a democracia garante o direito de liberdade, direito de livre comunicação, de livre expressão", mas também exige que as pessoas "respeitem as instituições que foram criadas para fortalecer a democracia".

Manifestantes que não aceitam a vitória de Lula nas eleições de 2022 furaram bloqueio da Polícia Militar do Distrito Federal e invadiram, na tarde deste domingo (8), os prédios do Congresso Nacional, do Palácio do Planalto e do Supremo Tribunal Federal (STF), em Brasília.

Publicidade

As declarações foram dadas por Lula em visita a Araraquara, município do interior paulista que sofreu estragos após as chuvas. Em seu discurso, o presidente atribuiu ao antecessor, Jair Bolsonaro, a não aceitação do resultado eleitoral e o estímulo a invasão dos prédios dos Três Poderes. "Isso é da responsabilidade dele. E isso tudo vai ser apurado com muita força e rapidez."

Leia o decreto de Lula na íntegra:

Polícia confirma ao menos 170 prisões:

Publicidade

Veja imagens do vandalismo que os manifestantes deixaram em Brasília:

Invasões

Vídeos publicados nas redes sociais mostram o momento em que os manifestantes subiram a rampa do Congresso Nacional e invadiram a parte superior, onde ficam as cúpulas do Senado Federal e da Câmara dos Deputados, além do Salão Verde, localizado dentro do edifício.

Depois, o grupo tentou invadir, com sucesso, o Palácio do Planalto, sede da Presidência da República, local onde o presidente da República despacha, em Brasília. O petista não está na capital federal neste momento e, sim, em Araraquara, para visita ao município do interior paulista após os estragos causados pelas chuvas.

Leia também

Manifestantes invadiram, ainda, o edifício do STF. No local, vidros foram quebrados e objetos destruídos nas dependências da Corte. Imagens divulgadas nas redes sociais mostram inicialmente que a porta que o ministro Alexandre de Moraes utiliza para guardar a toga foi arrancada.

Diversas autoridades, como a ministra Simone Tebet (Planejamento e Orçamento), repudiaram as invasões. O episódio fez ainda com que o secretário de Segurança Pública do Distrito Federal, Anderson Torres, que foi ministro de Justiça na gestão de Jair Bolsonaro, foi demitido do cargo.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.