Brasília Bolsonaro convida chefes de Estado para 7 de Setembro

Bolsonaro convida chefes de Estado para 7 de Setembro

Marcelo Rebelo de Souza (Portugal), João Lourenço (Angola) e Umaro Sissoco Embaló (Guiné-Bissau) estão entre os convidados

  • Brasília | Plínio Aguiar, do R7, em Brasília

O presidente Jair Bolsonaro (PL)

O presidente Jair Bolsonaro (PL)

Adriano Machado/Reuters - 02.02.2022

O presidente Jair Bolsonaro (PL) convidou chefes de Estado de países de língua portuguesa para as comemorações do Bicentenário da Independência do Brasil, que será comemorado em 7 de setembro.

Entre os convidados estão Marcelo Rebelo de Souza (Portugal), João Lourenço (Angola), Umaro Sissoco Embaló (Guiné-Bissau), Carlos Vila Nova (São Tomé e Príncipe), Filipe Nyusi (Moçambique), José Ramos-Horta (Timor Leste) e José Maria Neves (Cabo Verde).

Neste ano, o país comemora os 200 anos de sua independência de Portugal. O governo deseja contar com um empréstimo temporário do coração mumificado de dom Pedro 1º para a comemoração do bicentenário. De acordo com o Itamaraty, o transporte deverá dar-se em avião da Força Aérea Brasileira.

O coração se encontra na igreja de Nossa Senhora da Lapa, na cidade do Porto, em Portugal. A reportagem apurou que o lado português não impôs nenhuma condição para o translado do órgão salvo a exigência de laudo técnico que atestasse a viagem ao Brasil sem sofrer danos. A programação ainda está em elaboração.

Durante conversa com apoiadores, Bolsonaro contou que estão previstos desfiles para o 7 de Setembro em Brasília e no Rio de Janeiro. "Está previsto, às 10 horas da manhã, desfile aqui em Brasília, e, às 16 horas, em Copacabana", disse o presidente.

Recentemente, o atual ocupante do Palácio do Planalto convocou os apoiadores para ir às ruas pela última vez no 7 de Setembro. "Convoco todos vocês agora para que todo mundo, no 7 de Setembro, vá às ruas pela última vez", afirmou Bolsonaro na convenção do partido que o lançou oficialmente candidato à reeleição.

"Esses poucos surdos de capa preta têm que entender o que é a voz do povo. Têm que entender que quem faz as leis são os Poderes Legislativo e Executivo", acrescentou Bolsonaro, na esteira das críticas ao sistema eleitoral brasileiro, às urnas eletrônicas e a membros do Judiciário.

A última vez em que Bolsonaro se reuniu com membros de outros Estados foi em 18 de julho. Em encontro com embaixadores estrangeiros, no Palácio da Alvorada, o presidente voltou a criticar o modelo eleitoral atual, sem apresentar provas. A reunião provocou uma reação em cadeia.

Últimas