Brasília Câmara convida Sachsida para explicar privatização da Petrobras

Câmara convida Sachsida para explicar privatização da Petrobras

Comissões querem ouvir o ministro de Minas e Energia sobre os planos do governo de entregar a empresa à iniciativa privada

  • Brasília | Augusto Fernandes, do R7, em Brasília

O ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida

O ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida

Edu Andrade/Ascom/ME - 3.5.2022

O ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida, foi convidado por duas comissões da Câmara dos Deputados para prestar esclarecimentos sobre a ideia do governo federal de privatizar a Petrobras e a Pré-Sal Petróleo S.A. (PPSA). Ao assumir o cargo na semana passada, Sachsida declarou que vai pedir à equipe econômica do Executivo estudos sobre a desestatização das empresas.

As comissões que convidaram o ministro são a de Fiscalização Financeira e Controle e a de Minas e Energia. Inicialmente, os requerimentos analisados pelos colegiados pediam a convocação de Sachsida, instrumento que tem caráter coercitivo e, portanto, forçaria o ministro a comparecer à Câmara. Contudo, a convocação foi transformada em convite.

A tendência é que o ministro seja interrogado pelos parlamentares até o fim de junho. Por mais que Sachsida não seja obrigado a participar das audiências nas comissões, os deputados esperam que ele não falte, pois entendem que é uma boa oportunidade para o ministro detalhar os planos do governo de entregar as empresas à iniciativa privada.

"Esta Casa precisa conhecer as metas do novo ministro e as prioridades de sua gestão diante dos principais temas que preocupam a sociedade", destacou o deputado Jesus Sérgio (PDT-AC), autor de um dos requerimentos que cobravam explicações de Sachsida.

Além da audiência com o ministro, a Comissão de Fiscalização Financeira e Controle aprovou um convite ao presidente da Petrobras, José Mauro Ferreira Coelho, para que ele fale sobre os reajustes nos preços dos combustíveis estabelecidos pela empresa. Coelho também foi convidado pela Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural para explicar o recente aumento no preço do diesel.

Últimas