Brasília Com preços abusivos, loja se aproveitava de idosos, diz Procon 

Com preços abusivos, loja se aproveitava de idosos, diz Procon 

Estabelecimento especializado em pneus chegou a cobrar R$ 20 mil por reparos em veículo e é acusado de intimidar clientes

  • Brasília | Luiz Calcagno, do R7, em Brasília

Idoso com as mãos cruzadas

Idoso com as mãos cruzadas

Divulgação/GDF

Uma ação do Procon e da Polícia Civil flagrou estabelecimentos de revenda e manutenção de pneus cobrando preços diferentes para os mesmos tipos de serviço em Brasília. As empresas se aproveitavam da vulnerabilidade dos idosos e também ofereciam reparos desnecessários a outros clientes. 

Os estabelecimentos chegaram a cobrar R$ 20 mil por manutenções em um Celta, quase o preço do veículo, segundo a diretora-geral substituta do Procon, Vanessa Pereira. Os fiscais do Procon e a Polícia resolveram investigar as duas lojas depois de receberem cerca de 26 reclamações, além de ocorrências policiais.

A lista de queixas contra a loja, que não teve o nome divulgado, inclui até o dano proposital em veículos, para obrigar clientes a contratarem serviços desnecessários. Na batida, os profissionais também encontraram carros para manutenção sem orçamento. Além disso, os estabelecimentos não apresentaram tabela de preço única para consumidores.

Ocorreram ainda casos de cobrança de valores abusivos, serviços feitos sem a autorização dos proprietários , constrangimento e ameaça a clientes. Duas unidades de uma loja foram interditadas na Asa Sul e na Asa Norte. A ação coordenada pelo Procon com o apoio da polícia aconteceu na manhã desta terça-feira (24).

De acordo com Vanessa Pereira, quem pedisse, por exemplo, uma troca de pneu, ouviria de funcionários que o veículo tinha uma série de outros problemas que não existiam. "Encontramos ordem de serviço de R$ 20 mil para um Celta, praticamente o valor do automóvel", relatou.

Após a batida, o Procon suspendeu as atividades dos estabelecimentos por tempo indeterminado. A empresa tem dez dias para apresentar defesa.

Últimas