Brasília 'É hora de dizer basta', diz Fachin sobre ataques à Justiça Eleitoral

'É hora de dizer basta', diz Fachin sobre ataques à Justiça Eleitoral

Ministro do Tribunal Superior Eleitoral chamou provocações de 'pobres em substância argumentativa' e criticou as Forças Armadas

  • Brasília | Alan Rios, do R7, em Brasília

Para Fachin, há um 'negacionismo eleitoral por parte de uma personalidade importante'

Para Fachin, há um 'negacionismo eleitoral por parte de uma personalidade importante'

Rovena Rosa/Agencia Brasil

O ministro Edson Fachin, do Tribunal Superior Eleitoral e do Supremo Tribunal Federal, fez um discurso na Ordem dos Advogados do Brasil do Paraná nesta segunda-feira (18) pedindo um basta aos ataques à Justiça Eleitoral, criticando o envolvimento das Forças Armadas no pleito e afirmando que há um "negacionismo eleitoral por parte de uma personalidade importante" no Brasil. Na ocasião, Fachin abriu a Campanha de Combate à Desinformação da Ordem dos Advogados.

Para o ministro, alegações de fraude no processo eleitoral do país são encenações, "eventos órfãos de embasamento técnico e pobres em substância argumentativa", que atacam a democracia sem provas. "Há um inaceitável negacionismo eleitoral por parte de uma personalidade importante dentro de um país democrático, e é muito grave a acusação de fraude (má-fé) a uma instituição", disse.

Fachin ainda criticou o que chamou de "naturalização do abuso da linguagem" e a falta de compromisso cívico. "Ainda mais grave é o envolvimento da política internacional e também das Forças Armadas, cujo relevante papel constitucional a ninguém cabe negar como instituições nacionais, regulares e permanentes do Estado, e não de um governo. É hora de dizer basta."

No discurso, o ministro também pediu a volta da normalidade das campanhas eleitorais. Segundo ele, esse período não deve ser feito de janelas para ataques sucessivos, mas espaços para que os candidatos ofereçam informações verdadeiras e propostas plausíveis.

"Cabe preservar conquistas civilizatórias, mantendo-se o povo livre e consciente frente à dominação outrora imposta por supostos líderes que, em momentos infaustos, apagaram memórias e usaram da força para usurpar o poder, fazendo-se imunes ao julgamento coletivo, negando a natureza soberana da cidadania", ressaltou.

Últimas