Brasília Empresária hospeda família após voo cancelado pela Itapemirim 

Empresária hospeda família após voo cancelado pela Itapemirim 

Família de Salvador teria de passar a noite no aeroporto até a saída do ônibus de manhã e a empresária se ofereceu para hospedá-la

  • Brasília | Alan Rios e Vanessa Marques, Do R7 Brasília e Ribamar Martins, da RecordTV DF

Amanda com a família que acolheu

Amanda com a família que acolheu

Arquivo pessoal

Após a suspensão de todos os voos da companhia Itapemirim, a empresária Amanda Souza hospedou, em sua casa, no Lago Sul (DF), uma família que iria embarcar de Brasília para o Rio de Janeiro (RJ). Na última sexta-feira (17), ela foi buscar a tia, que também iria viajar no voo, e conta que ao chegar ao Aeroporto Internacional de Brasília achou estranho não ter ninguém no balcão da companhia e notou a presença de policiais.

“Consegui encontrar algumas pessoas que estavam no avião e a gente conversou para tentar resolver alguma coisa. Tentei fretar dois ônibus para o pessoal ir embora, mas o horário já estava tarde e não tinha mais ônibus para locação”, conta. Ela diz que até conseguiu um ônibus com uma empresa de Anápolis (GO), mas a companhia aumentou R$ 10 mil do preço cobrado normalmente. “As pessoas de fato se aproveitam do problema alheio.”

A companhia aérea Itapemirim cancelou mais de 500 voos que estavam programados para decolar entre a última sexta-feira (17) e o dia 31 de dezembro deste ano. A Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) suspendeu o COA (Certificado de Operador Aéreo) da companhia.

Descaso

A empresária ficou espantada com o descaso da Itapemirim, Inframerica e Anac com os passageiros que tiveram o voo cancelado. Segundo ela, havia pessoas que não tinham lugar para passar à noite nem dinheiro para comer. “A minha vontade era poder ajudar todo mundo que estava ali, porque o aeroporto de Brasília é muito ruim para ficar e pernoitar, não tem acolhimento”, lamentou.

Amanda fez de tudo que estava a seu alcance. Ligou para hotéis, tentou alugar um jato e, segundo ela, por impulso, ofereceu a sua casa a uma família de Salvador que havia conseguido comprar passagens de ônibus para o RJ para o dia seguinte. “Eu sou uma pessoa que, de fato, gosta de ajudar o próximo e pedi que eles fossem para minha casa. Liguei para minha mãe, ela estava em casa com a minha irmã, e falei: arruma comida e colchão que o povo está indo”, relata.

Até o momento, ninguém da companhia aérea entrou em contato com a tia de Amanda. A empresária afirma que as instituições não deram nenhum amparo. “Hoje, inclusive, está o maior perrengue, porque ninguém está conseguindo pegar o boletim de ocorrência que foi feito pela PF (Polícia Federal).”

Nota da Anac

A Anac divulgou uma nota sobre a suspensão dos voos da empresa Itapemirim em seu site. Leia abaixo:

"A Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) foi informada, por volta de 18h, pela empresa aérea Itapemirim Transportes Aéreos (ITA), nesta sexta-feira (17/12), sobre a suspensão temporária das operações no Brasil devido a uma reestruturação interna. A Agência determinou que a empresa aérea preste imediatamente atendimento integral a todos os passageiros e comunique, individualmente, sobre cancelamento de voos e recomendações, bem como garanta o reembolso das passagens aéreas comercializadas, cumprindo as regras da Resolução ANAC 400, de 2016.

A ANAC recomenda, ainda, que os passageiros com voos previstos, a partir deste sábado (18/12), não compareçam aos aeroportos antes de contatar a empresa aérea. A Itapemirim informou que os passageiros com viagens programadas para os próximos dias devem entrar em contato pelo email falecomaita@voeita.com.br. A ANAC orienta que os passageiros também recorram à plataforma consumidor.gov.br.

A segurança das operações aéreas é prioridade da Agência. Devido à paralisação das operações da empresa, a ANAC suspendeu o seu Certificado de Operador Aéreo (COA)”.

Últimas