Brasília Personal que agrediu ex-morador de rua cria canal no YouTube e fala sobre o caso

Personal que agrediu ex-morador de rua cria canal no YouTube e fala sobre o caso

Eduardo Alves comentou episódio que envolve a esposa e o ex-morador de rua, mas ressaltou que página terá foco profissional

  • Brasília | Hellen Leite, do R7, em Brasília

Eduardo Alves disse que pretende usar o canal no YouTube para mostrar seu trabalho

Eduardo Alves disse que pretende usar o canal no YouTube para mostrar seu trabalho

Redes sociais/Reprodução

Após ficar nacionalmente conhecido por causa da polêmica com o ex-morador de rua Givaldo Alves, o personal trainer Eduardo Alves resolveu usar as redes sociais para divulgar o seu trabalho. O primeiro vídeo do educador físico no YouTube foi publicado nesta quinta-feira (27) e, em 12 horas, superou a marca de 24 mil visualizações. 

Apesar de o primeiro vídeo do canal ter o título relacionado ao episódio em Planaltina, Eduardo frisa que o intuito é focar a parte profissional. "A minha vida mudou completamente. Eu era um personal conhecido na minha cidade, tinha meus seguidores, meus alunos na academia, vendia minhas consultorias e dava minhas aulas, e tudo mudou em 24 horas", comentou.

Leia também: Mulher de personal que agrediu ex-morador de rua fala pela 1ª vez: 'Vida exposta e devastada'

"Tentando reverter tudo isso, quero mostrar quem é o Eduardo, minha vida no canal e também no Instagram. Vou falar sobre meu dia a dia, treinamentos, emagrecimento, hipertrofia, definição e qualidade de vida", completou.

Ele também usou o espaço para atualizar o estado de saúde da mulher, a empresária Sandra Mara, que ficou quase um mês internada em uma clínica psiquiátrica. Segundo Eduardo, remédios e acompanhamento com médicos fazem parte da rotina da esposa.

"Foi comprovado que foi um surto, ninguém escolhe ter um surto, mas a pessoa pode escolher ser tratada. Atualmente, a Sandra toma em oito comprimidos para ter uma vida normal. Pode ser que ela tome remédio para o resto da vida, pode ser que não. Isso só o tempo vai poder dizer."

Leia também: Ex-morador de rua agradece a mulher por mudança de vida, mas diz que se arrepende

Ontem, Sandra se manifestou pela primeira vez após alta do Hospital Universitário de Brasília. "Fui vítima de chacotas, humilhações em rede nacional. Fui tachada como uma mulher qualquer, uma mulher promíscua, uma mulher com fetiches, uma traidora", escreveu em uma postagem nas redes sociais. "Eu sempre soube que vivemos numa sociedade desigual, mas eu não escolhi ter um surto, eu não escolhi ter sido humilhada, eu não escolhi ter minha vida exposta e devastada", arrematou.

Sandra disse ainda que levou o caso à Justiça e que vai "lutar pelos direitos das mulheres". "Nunca faltei com respeito com ninguém e não merecia ser tratada como uma qualquer, e, principalmente, ter sido usada como objeto de prazer durante delírios e alucinações que confundiram minha mente e me colocaram num contexto nojento e sórdido", finalizou.

O caso

A situação ocorreu no dia 9 de março, em Planaltina, no Distrito Federal. O personal trainer Eduardo Alves, 31 anos, flagrou a mulher dentro de um carro mantendo relações sexuais com Givaldo Alves de Souza, de 48 anos, que estava em situação de rua. Em ataque de fúria, o personal agrediu Givaldo. A cena foi filmada por câmeras de segurança (veja vídeo abaixo).

Diante da gravidade das agressões, Givaldo foi levado para o Hospital Regional de Planaltina, onde permaneceu por três dias. Após a recuperação, ele foi encaminhado a um abrigo em Ceilândia. Em seguida, Sandra foi internada em uma unidade psiquiátrica pública no DF.

Dias após o caso ser divulgado na imprensa, Givaldo foi elevado ao status de subcelebridade e passou a ostentar uma vida luxuosa nas redes sociais. Durante o Carnaval, o ex-morador de rua esteve no camarote da Sapucaí e foi flagrado em carro de luxo, na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro.

Ele chegou a dizer, em entrevista à Record TV, no dia 15 de abril, que era grato pela mudança de vida após o caso em que acabou agredido pelo personal, em março. No entanto, se arrepende do que aconteceu, sobretudo devido ao estado de saúde da mulher.

Últimas