Brasília Polícia vai ouvir jovem que apontou arma para estudante 

Polícia vai ouvir jovem que apontou arma para estudante 

Caso aconteceu na terça-feira (22), e foi mais um na onda de violência que atingiu escolas públicas do DF

  • Brasília | Luiz Calcagno, do R7, em Brasília

Jovem aponta revólver para o rosto de aluna em frente a escola no DF

Jovem aponta revólver para o rosto de aluna em frente a escola no DF

Reprodução

A Polícia Civil do Distrito Federal deve ouvir nesta sexta-feira (25) a mulher que apontou uma arma para o rosto de uma estudante em frente a uma escola em São Sebastião (DF). A mulher, identificada como Rafaela, tem 19 anos e não tem relação com a unidade de ensino. Os investigadores querem saber o que ela estava fazendo em frente ao Centro Educacional São Francisco na terça-feira (22) e por que estava armada.

A polícia também procura a arma que foi usada para ameaçar a estudante. Mas investigadores acreditam que, como a Polícia Militar não conseguiu prender a suspeita em flagrante, ela já não esteja mais com o revólver — principalmente por causa da repercussão do caso, já que o vídeo que mostra a briga se espalhou pelas redes sociais.

Os próprios estudantes filmaram a cena. Nas imagens, duas adolescentes aparecem discutindo. De bolsa e vestido, Rafaela, que até então parecia apenas observar o que acontecia, puxa um revólver e avança contra uma das jovens. Ela intimida a vítima e coloca o cano da arma bem próximo ao rosto da moça.

A suspeita vai depor na 30ª Delegacia de Polícia (São Sebastião). As outras duas jovens que aparecem na filmagem são adolescentes. Em nota, a direção da escola afirmou, ainda na terça, que o caso é inadmissível.

“A falta de recursos materiais e humanos compactua para um ambiente insustentável de manutenção de uma unidade escolar”, afirma o texto.

Fora de controle

Os casos de violência nas unidades de ensino do DF têm se tornado recorrentes. No mesmo dia em que a jovem ameaçou a adolescente com uma arma em frente à unidade de ensino, um estudante de 15 anos esfaqueou uma colega de 14 dentro do Colégio Fundamental do Bosque, também em São Sebastião.

Também na terça, jovens trocaram socos e chutes em frente ao Centro de Ensino Médio 01, em Brazlândia. Em outro caso, no Centro de Ensino Médio 3, em Ceilândia, na última sexta-feira (18), um estudante foi esfaqueado depois de trocar agressões com outro jovem. Em 9 de março, quatro adolescentes foram filmados brigando no pátio de uma escola em Santa Maria.

A Secretaria de Educação está coordenando um trabalho conjunto com as pastas de Saúde, Segurança Pública e Juventude para tentar conter a onda de violência nas instituições públicas de ensino do DF. Uma das medidas práticas a ser adotadas será a presença do Batalhão Escolar da PM nos estabelecimentos com maior número de casos.

Por telefone, em uma conversa breve, o delegado responsável pelo caso, Ulysses Luz, afirmou que a polícia trabalha para ouvir os estudantes e entender a dinâmica do ocorrido. “Precisamos ouvir todos e entender como o fato aconteceu. Mas, dada a repercussão do fato, estamos tendo dificuldade de localizar parte dessas pessoas”, contou.

Últimas