Brasília 'Que as autoridades apurem o ocorrido', diz Bolsonaro sobre assassinato de petista

'Que as autoridades apurem o ocorrido', diz Bolsonaro sobre assassinato de petista

O presidente também pediu apuração contra opositores que, segundo ele, 'agem como urubus' para tentar prejudicá-lo

  • Brasília | Sarah Teófilo, do R7, em Brasília

Presidente Jair Bolsonaro (PL)

Presidente Jair Bolsonaro (PL)

Isac Nóbrega / PR / 22.06.2022

O presidente Jair Bolsonaro (PL) se manifestou na noite deste domingo (10) sobre o assassinato do militante do Partido dos Trabalhadores (PT) e guarda municipal Marcelo Aloizio de Arruda, de 50 anos, morto nesta madrugada pelo policial penal federal Jorge José da Rocha Guaranho, apoiador de Bolsonaro. Arruda foi morto em sua festa de aniversário, que tinha a decoração em alusão ao PT, em Foz do Iguaçu (PR).

"Que as autoridades apurem seriamente o ocorrido e tomem todas as providências cabíveis, assim como contra caluniadores que agem como urubus para tentar nos prejudicar 24 hora por dia", escreveu o presidente em suas redes sociais. O assassinato do líder petista gerou ampla repercussão ao longo do dia, com políticos e pré-candidatos à Presidência da República se manifestando contra violência política.

Bolsonaro afirmou que "independente das apurações", deseja reiterar uma mensagem de 2018. "Dispensamos qualquer tipo de apoio de quem pratica violência contra opositores. A esse tipo de gente, peço que por coerência mude de lado e apoie a esquerda, que acumula um histórico inegável de episódios violentos", diz a mensagem.

O presidente escreveu que "é o lado de lá que dá facada, que cospe, que destrói patrimônio, que solta rojão em cinegrafista, que protege terroristas internacionais, que desumaniza pessoas com rótulos e pede fogo nelas, que invade fazendas e mata animais, que empurra um senhor num caminhão em movimento".

O chefe do Executivo ainda se defendeu de afirmações feitas ao longo do dia, de que ele incentiva a violência contra militantes do PT. "Falar que não são esses e muitos outros atos violentos mas frases descontextualizadas que incentivam a violência é atentar contra a inteligência das pessoas. Nem a pior, nem a mais mal utilizada força de expressão, será mais grave do que fatos concretos e recorrentes", afirmou.

Após a morte de Arruda, diversas declarações do presidente foram resgatadas, como uma feita durante a campanha de 2018, no Acre. Na ocasião, ele afirmou, fazendo um gesto em referência a armas: “Vamos fuzilar a petralhada aqui do Acre, hein? Vamos botar esses picaretas para correr do Acre".

Apoiadores do presidente, por outro lado, resgataram nas redes sociais uma fala do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, na qual ele agradece um ex-vereador indiciado por agressão, por tê-lo defendido empurrando um empresário, em 2018. A vítima bateu a cabeça em um caminhão e chegou a ficar desacordada, com traumatismo craniano.

O crime

Líder do PT em Foz do Iguaçu, Marcelo Arruda foi morto na madrugada deste domingo, em sua festa de aniversário. Ele foi baleado por Jorge Guaranho, e reagiu à agressão, atirando contra o policial penal, que está internado em estado grave, segundo a Secretaria de Segurança Pública do Paraná (SESP/PR).

O guarda municipal foi candidato a vice-prefeito da cidade pelo PT nas eleições de 2020. O boletim de ocorrência da Polícia Civil informa que, segundo relatos de testemunhas, Guaranho era desconhecido de todos na festa. Ele chegou ao local de carro, acompanhado de uma mulher e uma criança. Com uma arma em punho, gritou "Aqui é Bolsonaro" e saiu. Nas redes sociais, o policial penal tem diversas publicações em apoio ao Presidente da República.

Conforme o relato do boletim de ocorrência, vinte minutos depois o policial penal retornou ainda armado e sozinho. A esposa do aniversariante, que é policial civil, se identificou no momento em que Marcelo Arruda também informou que era guarda civil e sacou sua arma. Foi quando Jorge Guaranho efetuou dois disparos na direção de Arruda, que mesmo atingido e caído no chão revidou os tiros.

A delegada da Polícia Civil Iane Cardoso explicou que, segundo testemunhas, o policial penal chegou à festa de Arruda ouvindo uma música que remetia ao presidente Bolsonaro. De acordo com ela, pelas imagens, é possível observar que Guaranho chegou à festa, falou alguma coisa enquanto Arruda pedia que ele fosse embora.

Guaranho saiu, mas, em seguida, retornou e falou outra coisa. Quando o policial penal se retirou, Arruda atirou pedras contra o veículo que ele conduzia, explicou a delegada. O policial penal, então, disse que iria retornar, o que o fez miniutos depois, ocasião em que disparou contra o guarda municipal.

Inicialmente, a Polícia Civil afirmou que o Guaranho havia morrido. A informação foi corrigida pela delegada Iane Cardoso, que disse em entrevista coletiva que Guaranho está vivo. "O agente penal não veio a óbito. Ele está em estado estável e foi autuado em flagrante. O delegado que estava de plantão autuou o indivíduo em flagrante delito. Ele etá custodiado pela Polícia Militar enquanto recebe auxílio médico", disse.

A SESP-PR informou ainda que a Polícia Civil está investigando o caso, com análise de imagens de câmera de segurança e oitiva de testemunhas. "A Polícia Científica está atuando no procedimento pericial que auxiliará para que os fatos sejam esclarecidos e o inquérito policial relatado e encaminhado à Justiça."

Últimas