Brasília Ucrânia espera reação mais forte do Brasil, diz encarregado

Ucrânia espera reação mais forte do Brasil, diz encarregado

Encarregado de Negócios da Ucrânia no Brasil deu panorama de conflitos e analisou contexto internacional 

  • Brasília | Alan Rios, do R7, em Brasília

População na Ucrânia

População na Ucrânia

Daniel Leal/AFP - 25.2.2022

O encarregado de Negócios da Ucrânia no Brasil, Anatoliy Tkach, afirmou que espera uma reação mais forte do Brasil em meio aos ataques da Rússia. As declarações foram feitas na manhã desta sexta-feira (25), durante conversa com jornalistas.

"Estamos trabalhando com o governo brasileiro e pedimos que a reação seja mais forte. Esperamos contar com o apoio do Brasil. Estamos vendo o pronunciamento de muitas autoridades brasileiras. O principal é que o Brasil está apoiando a solução política e diplomática do conflito. É necessário mais ações para voltar às negociações e parar o ataque ao nosso país", afirmou Anatoliy.

O encarregado opiniou ainda que acredita que o presidente Jair Bolsonaro "se expressou a favor da solução diplomática da crise" quando visitou a Rússia. Anatoliy ainda agradeceu o apoio de países parceiros e citou que a Polônia fez um empréstimo de quase um milhão de dólares à Ucrânia.

"Pedimos que adotem as seguintes medidas: apoio financeiro, apoio com armas defensivas à Ucrânia e condenação das ações da Rússia. Mas também precisamos de ajuda humanitária. Temos um apoio internacional sem precedentes", disse.

O encarregado de Negócios da Ucrânia no Brasil também deu números mais recentes sobre o confronto, confirmando 137 mortos e 316 feridos no país. Do lado Russo, ele também contabilizou perdas do exército de Putin.

"Até agora de manhã estamos tendo confirmados as perdas do inimigo de sete aviões, seis helicópteros, mais de 30 tanques, 130 unidades de veículos blindados e aproximadamente 800 pessoas [soldados]."

Últimas