Economia Bitcoin despenca para R$ 32 mil, metade do seu preço máximo

Bitcoin despenca para R$ 32 mil, metade do seu preço máximo

Queda de 12% da criptomoeda foi ocasionada por preocupações regulatórias

Reuters
Bitcoin chegou a valer R$ 64.200 em dezembro

Bitcoin chegou a valer R$ 64.200 em dezembro

Benoit Tessier/Illustration/Reuters

O Bitcoin recuou mais 12% nesta quarta-feira (17), para quase a metade do seu preço máximo, com investidores temerosos de que os reguladores podem restringir a volátil criptomoeda que disparou no ano passado.

O preço do Bitcoin, a maior e mais conhecida criptomoeda mundial, caiu para R$ 32.100 (US$ 10 mil) na bolsa Bitstamp baseada em Luxemburgo, o menor valor desde 1 de dezembro.

A moeda digital atingiu o valor máximo de quase R$ 64.200 (US$ 20 mil) em meados dezembro — e, de fato, superou esse patamar em algumas bolsas —, mas desde então vem sofrendo com grandes vendas.

Moedas virtuais pouco conhecidas devem oferecer lucros maiores

Outras criptomoedas recuaram ainda mais. Ethereum e Ripple caíram fortemente após relatos de que a Coreia do Sul e a China poderiam proibir o comércio de criptomoedas, levando a preocupações com uma regulamentação mais ampla.

"Há muito pânico no mercado. As pessoas estão vendendo para tentar sair daqui", disse Charles Hayter, fundador da Cryptocompare, que possui criptomoedas. Autoridades devem debater o aumento do bitcoin na próxima reunião de cúpula do G20 na Argentina, em março.

Mesmo com queda recente, Bitcoin segue como investimento vantajoso

"As criptomoedas podem ser limitadas no trimestre atual antes da reunião do G20 em março, onde os políticos podem discutir uma regulamentação mais dura", disse Shuhei Fujise, analista chefe da Alt Design.

Separadamente, uma autoridade do banco central da China informou que o governo de Pequim deve proibir a negociação centralizada de moedas digitais, bem como indivíduos e empresas que prestam serviços relacionados.

Últimas