Economia Meirelles volta a defender reforma da Previdência após votação

Meirelles volta a defender reforma da Previdência após votação

Ministro da Fazenda afirma que economia cresce de "maneira sustentável"

  • Economia | Alexandre Garcia, do R7

Meirelles voltou a defender mudanças na Previdência

Meirelles voltou a defender mudanças na Previdência

14.09.2017/REUTERS/Leonardo Benassatto

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, voltou a defender nesta quinta-feira (26) os resultados econômicos do governo de Michel Temer, durante palestra a empresários e investidores em São Paulo. Um dia após a Câmara dos Deputados rejeitar a abertura de investigação contra o presidente, ele voltou a defender a reforma da Previdência, embora o resultado desta quarta-feira (25) mostre que o Planalto vai precisar se esforçar para alcançar os votos necessário para mudar as regras de aposentadoria.

Em palestra a grupo de empresários organizado pela Câmara Brasil-Alemanha, Meirelles afirmou que a "economia brasileira voltou a crescer de forma sustentável", com destaque para a queda dos juros e a redução do nível de desemprego.

— A confiança continua a aumentar, o que sinaliza muito bem para a atividade econômica à frente. Mantendo isso, teremos um crescimento cada vez maior. Hoje, o Brasil já está criando empregos em termos líquidos. Com uma geração de vagas maior do que o desemprego.

O ministro atribui a melhora a uma "plataforma de reformas que o governo do presidente Michel Temer projeta no País”. Ele cita como exemplos o teto de gastos e a reforma trabalhista, já aprovadas pelo Congresso, além das mudanças nos sistemas previdenciário e tributário que o governo pretende implementar.

Previdência

Ao citar a reforma do sistema de aposentadorias do País, Meirelles disse que o Brasil se tornará "inadministrável" em 10 anos caso a reforma não passe.

— Daqui a 10 anos, vamos ter 80% do Orçamento apenas com a Previdência. O governo vai existir para pagar a Previdência. Evidentemente, isso torna o País inadministrável.

Ao fazer a afirmação, o ministro disse que 55,6% do Orçamento nacional está comprometido com despesas previdenciárias. O pagamento de projetos de todas as outras áreas, incluindo saúde, educação e programas sociais, é feito com os 45,4% restantes.  
 
— Estamos trabalhando em amplas reformas visando aumentar a eficiência da economia, tornando o País mais produtivo e aumentando sua capacidade de aumentar emprego e renda.

Aprovar a reforma da Previdência, no entanto, será um desafio, já que são necessários 308 votos de deputados. Na votação de ontem no Congresso, Temer conquistou 251 votos favoráveis, ante 231 contrários.

Últimas