Futuro da educação no Brasil é tema do Estúdio News

As desigualdades agravadas pela crise preocupam especialistas no assunto

Tabata Amaral, Claudia Costin e Olavo Nogueira Filho

Tabata Amaral, Claudia Costin e Olavo Nogueira Filho

Divulgação

O fechamento das escolas foi uma das primeiras medidas para conter o avanço do coronavírus e, desde então, os impactos causados na educação são crescentes.

O aprofundamento das desigualdades sociais e as soluções para reverter os danos no aprendizado serão debatidos no Estúdio News desta quarta-feira (3) com a Tabata Amaral, deputada federal (PDT-SP), Claudia Costin, diretora e fundadora do FGV CEIPE, e Olavo Nogueira Filho, diretor de políticas educacionais do Todos pela Educação.

O adiamento do Enem foi o centro do debate sobre educação nos últimos dias. A medida foi uma demanda da sociedade e do Poder Legislativo, que levaram em consideração as dificuldades de alunos de baixa renda e que não têm acesso a computadores e internet. Na opinião da deputada federal, é importante que o Enem aconteça, mas sem deixar ninguém para trás.

“O mais importante é que a gente tenha algum plano. Seja de educação não presencial, seja de reposição de aulas para que o estudante de escola pública, aqueles mais vulneráveis, não sejam prejudicados e possam receber o conteúdo antes da prova”, afirma Tabata.

O Centro de Excelência e Inovação em Políticas Educacionais (CEIPE) busca melhorar a gestão da política educacional para que o Brasil tenha uma educação básica equitativa, inovadora e de qualidade. Para a fundadora do FGV CEIPE, uma das maiores preocupações é a desigualdade educacional do país.

“Quando as aulas recomeçarem, os estados já deverão ter realizado ações diagnósticas para saber que perdas de aprendizagem esses alunos tiveram, e poder colocar em marcha um sistema de recuperação para os jovens. Não podemos deixar que a desigualdade educacional aumente tanto”, diz Claudia.

Para o diretor de políticas educacionais da organização Todos pela Educação, os desafios no pós-pandemia aumentarão e, por isso, o retorno deve ser planejado com urgência.

“Não se trata de uma retomada de onde paramos, os alunos e os professores não voltarão de um período análogo às férias. As escolas vão enfrentar desafios múltiplos, os que já existiam e serão intensificados e os novos que virão a reboque do cenário atual”, explica Nogueira Filho.

O Estúdio News vai ao ar às quartas-feiras, às 22h. A Record News é sintonizada pelos canais de TV fechada 55 Vivo TV, 78 Net, 32 Oi TV, 14 Claro, 19 Sky e 134 GVT, além do canal 42.1 em São Paulo e demais canais da TV aberta em todo o Brasil.