Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Bombas incessantes e menção a arma nuclear: Israel esbarra em diferentes táticas por reféns

Recuperar os sequestrados pelos terroristas do Hamas é o objetivo primordial do Estado judeu neste momento

Internacional|Do R7


Soldados fazem a manutenção de um tanque em Gaza
Soldados fazem a manutenção de um tanque em Gaza

Resgatar os reféns sequestrados pelo Hamas é o objetivo primordial de Israel neste momento. Para tal, o Exército israelense vem apostando em diferentes estratégias: bombardeios incessantes à Faixa de Gaza, ofensivas em menor escala no Líbano — aliado do grupo terrorista palestino —, o cerco total do enclave e até mesmo a menção de uma bomba nuclear, feita pelo ministro israelense de extrema-direita Amichai Eliyahu, no domingo (5).

A declaração de Eliyahu foi repudiada pelo primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, que suspendeu o ministro de participar das reuniões governamentais. Segundo o premiê, "as declarações do ministro Amichai Eliyahu não são baseadas na realidade", e o Estado age de acordo com regras internacionais para evitar ferir inocentes na guerra. O ministro da Defesa israelense, Yoav Gallant, também condenou a fala de Eliyahu.

Apesar de ter repreendido o ministro, Netanyahu vem sendo duramente criticado pela comunidade internacional pelos contínuos bombardeios em Gaza desde 7 de outubro — uma resposta ao ataque-surpresa do Hamas no sul de Israel que deixou 1.400 mortos. De acordo com dados do Ministério da Saúde do Hamas divulgados neste domingo (5), os ataques ao território palestino vitimaram ao menos 9.970 palestinos até o momento.

Compartilhe esta notícia no WhatsApp

Publicidade

Compartilhe esta notícia no Telegram

Embora haja uma crise humanitária iminente em Gaza, amigos e familiares dos reféns se opõem a um cessar-fogo, em coerência com Netanyahu. No último dia 30 de outubro, o primeiro-ministro descartou qualquer possibilidade de um armistício no território palestino, o que significaria, segundo ele, uma "rendição ao Hamas". O chefe da diplomacia dos Estados Unidos, Anthony Blinken, também se opõe a um cessar-fogo, mas defende uma pausa humanitária em áreas específicas para permitir a entrega de ajuda ou outras atividades humanitárias.

Publicidade

Leia também

Em paralelo aos bombardeios, o Exército de Israel deu início a uma incursão terrestre, que chega ao nono dia nesta segunda-feira (6) e tende a se intensificar nos próximos dias, com o objetivo de resgatar todos os reféns. Na última quinta-feira (2), as forças israelenses anunciaram que a cidade de Gaza, a maior da região, foi totalmente cercada.

Em discurso inflamado no sábado (4), um militar israelense prometeu a uma multidão de soldados que Israel conquistaria a Faixa de Gaza e o Líbano, acrescentando que o último mês de guerra foi o "mais feliz" da vida dele, com exceção das cenas de horror de 7 de outubro. A fala foi aplaudida pelos colegas, com alguns apelando à "conquista de Gaza". Posteriormente, o homem foi chamado para dar esclarecimentos a seus comandantes.

Publicidade

Crise humanitária em Gaza

Os palestinos de Gaza enfrentam atualmente uma crise humanitária. A situação se deve não só aos bombardeios israelenses contínuos, desde o início da guerra, como também à carência de produtos básicos, como água, comida, medicamentos, energia elétrica e combustível. No último dia 9 de outubro, Israel decretou um cerco total ao território palestino, na tentativa de fazer pressão pela devolução dos reféns.

Centenas de caminhões com ajuda humanitária entraram em Gaza pela passagem fronteiriça de Rafah nas últimas semanas. Apesar disso, Israel impediu a entrega de combustível no território palestino, alegando que isso poderia beneficiar o Hamas. A escassez de combustível já levou ao fechamento de vários hospitais, entre eles a única unidade oncológica do território palestino.

Na falta de medicamentos, os poucos hospitais que ainda funcionam estão realizando procedimentos sem anestesia. No Al-Shifa, bombardeado por Israel na sexta-feira (3), os profissionais descreveram as condições de trabalho como "catastróficas".

A falta de combustível também põe em risco a vida de pelo menos 120 bebês prematuros que estão em incubadoras. Assim que os geradores pararem, os recém-nascidos poderão morrer em questão de poucos minutos.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.