Internacional O que se sabe até o momento sobre o ataque a Cristina Kirchner

O que se sabe até o momento sobre o ataque a Cristina Kirchner

Vice-presidente da Argentina foi vítima de uma tentativa de assassinato na última quinta-feira (1º)

  • Internacional | Do R7, com AFP

Resumindo a Notícia

  • Brasileiro tentou atirar em Kirchner quando ela chegava em casa
  • Por motivo ainda não confirmado tecnicamente, arma que tinha cinco balas não disparou
  • Caso está sendo analisado pela polícia Científica e ainda não se sabe a motivação
  • Montiel foi detido e transferido para a Delegacia da Polícia Federal em Villa Lugano
Homem aponta uma arma para a vice-presidente da Argentina, Cristina Kirchner

Homem aponta uma arma para a vice-presidente da Argentina, Cristina Kirchner

TELAM/AFP - 02.09.2022

Um brasileiro de 35 anos chamado Fernando Andrés Sabag Montiel tentou atirar na vice-presidente da Argentina, Cristina Kirchner, na noite da última quinta-feira (1º). Ela estava chegando em sua casa, no bairro de Recoleta, em Buenos Aires, em meio a apoiadores, quando Montiel sacou uma pistola em sua direção.

"Por um motivo ainda não confirmado tecnicamente, a arma que tinha cinco balas não disparou apesar de ter sido acionada", revelou o presidente Alberto Fernández em mensagem à Nação.

Segundo fontes do jornal local Clarín, a arma é de calibre 32. O veículo também informou que o brasileiro foi detido e transferido para a Delegacia da Polícia Federal em Villa Lugano e está à disposição da juíza federal María Eugenia Capuchetti.

“A vice-presidente, segundo fontes de seu círculo mais próximo, não viu a arma quando foi disparada na frente de seu rosto, pois naquele momento ela havia se abaixado para pegar um exemplar de seu livro ‘Atenciosamente’ para assiná-lo a pedido de um apoiador no momento em que entrou em sua casa”, publicou o veículo local.

Kirchner, supostamente, teria entendido o ocorrido apenas quando seus seguranças explicaram a situação enquanto a levavam para sua residência.

O ministro da Segurança argentino, Aníbal Fernández, apontou que o revólver está com a polícia. O caso está sendo analisado pela polícia Científica e ainda não se sabe o que motivou Fernando Andrés Sabag Montiel a se infiltrar em meio à multidão de apoiadores de Cristina Kirchner para tentar assassiná-la.

Manifestantes entram em confronto com a polícia em protestos a favor de Kirchner na Argentina

Fernando Andrés Sabag Montiel nasceu em São Paulo, reside na Argentina desde 1993 e tem registro para trabalhar como motorista de aplicativo.

Segundo o Clarín, o brasileiro foi autuado por contravenção em 2021, portando uma faca de 35 centímetros em seu veículo sem placa. Na época, ele afirmou para os policiais que a placa caiu após um acidente de trânsito e a faca era para sua defesa pessoal.

Cristina Kirchner, líder da corrente de centro-esquerda do peronismo na Argentina, é acusada de corrupção durante o período em que foi presidente da Argentina (2007-15). O Ministério Público pediu recentemente uma pena de 12 anos de prisão para ela e desqualificação vitalícia.

A vice-presidente é acusada junto com outras doze pessoas pelos crimes de associação ilícita e administração fraudulenta agravada, por supostamente ter favorecido o empresário Lázaro Báez com a atribuição de licitações na província de Santa Cruz, seu reduto político.

Ela goza de privilégios parlamentares, que em caso de condenação a preservam de prisão e inabilitação. O julgamento deve começar na próxima semana na fase de argumentação da defesa.

O Ministério Público calculou a quantia que teria sido defraudada do Estado em cerca de 1 bilhão de dólares.

Kirchner foi absolvida em vários casos por supostos crimes ocorridos quando era presidente, mas ainda enfrenta cinco processos.

Pistola estava engatilhada, mas falhou na hora de ataque contra Cristina Kirchner; veja imagens

Últimas