Minas Gerais Chuvas na av. Vilarinho vão parar de matar em até 2 anos, diz prefeito

Chuvas na av. Vilarinho vão parar de matar em até 2 anos, diz prefeito

Alexandre Kalil (PSD) diz que prefeitura já prepara medidas contra alagamentos na região de Venda Nova para a temporada de chuva deste ano

Estação Vilarinho alagou durante temporal em 2018

Estação Vilarinho alagou durante temporal em 2018

Divulgação / Corpo de Bombeiros

O prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PSD), anunciou, nesta quarta-feira (11), que já começou a fazer uma sondagem para a licitação da obra que vai corrigir os alagamentos provocados por chuvas na avenida Vilarinho, na região de Venda Nova. O prefeito, contudo, previu que o fim dos problemas não será imediato e deve acontecer em até dois anos.

— É uma obra muito grande. Começamos a sondagem este mês para fazer a concorrência pública. A avenida Vilarinho mata há 40 anos e em aproximadamente um ano e meio ou dois anos vai parar de matar.

Em novembro do ano passado, quatro pessoas morreram durante uma tempestade que atingiu a região. Carros foram arrastados e casas e comércios foram inundados.

Nesta terça-feira (10), a Câmara de Vereadores aprovou um projeto de lei que autoriza a prefeitura a fazer empréstimos em fundos nacionais e internacionais para realização de obras para corrigir o problema. Agora, a autorização precisa ser confirmada em uma nova rodada de votação.

Kalil participou, ao vivo, do MG no Ar, da Record TV Minas, nesta quarta-feira (11). Durante a passagem pela emissora, o chefe do Executivo afirmou que acredita que as intervenções iniciais que vão ser feitas devem amenizar os transtornos causados pelas tempestades.

— Já estamos com um plano para esperar a chuva de uma forma muito diferente do que aconteceu naquela tragédia da avenida Vilarinho.

Patinetes

Nesta semana, a morte de um empresário que caiu de uma patinete elétrica na região central da cidade chamou atenção para a necessidade de estabelecer regras para o uso do serviço na cidade. Alvo de críticas por ter vetado o projeto da Câmara que regulamentava o assunto, Kalil se defendeu.

— Quando se mata por falta de atendimento e roubo na saúde, é culpa do Poder Público. Agora, quando o cara cai de uma patinete é querer que o prefeito seja culpado de tudo. Eu seu muito bem assumir a minha culpa e a da patinete eu não assumo porque ela não é minha.

Quando o projeto foi negado, Kalil alegou que cabia ao Executivo tratar do assunto. Em seguida, a BHTrans, empresa responsável por administrar o trânsito na cidade, montou um grupo de estudos para elaborar um projeto relacionado ao compartilhamento de bicicletas, skates e patinetes. Nesta manhã, o prefeito criticou a proposta apresentada pelos vereadores.

— No projeto de lei que foi vetado, não tinha nenhum item de segurança.

Durante a entrevista concedida à Record TV Minas, Kalil também comentou sobre a construção da Arena do Atlético Mineiro, a ampliação do metrô da Grande BH e a situação dos ônibus sem cobradores.

Veja a entrevista completa: