Minas Gerais Combate a incêndio na Serra do Cipó chega ao oitavo dia em Minas

Combate a incêndio na Serra do Cipó chega ao oitavo dia em Minas

Equipe de brigadistas e voluntários tenta impedir que as chamas se aproximem de residências e das nascentes, que abastecem a Grande BH

  • Minas Gerais | Akemí Duarte, da Record TV Minas

O Corpo de Bombeiros e brigadistas voluntários combatem, há oito dias, um incêndio que atinge o Parque Nacional da Serra do Cipó, um dos principais pontos turísticos localizado entre cidades da região Central de Minas Gerais.

O fogo ameaça casas, pousadas e diversas nascentes que abastecem a região metropolitana de Belo Horizonte. Imagens registradas por moradores mostram o tamanho da destruição.

Bombeiros usam aeronave para combater incêndio

Bombeiros usam aeronave para combater incêndio

Divulgação / CBMMG

No local conhecido como Pedra do Elefante, no município de Andradas, a 463 km de Belo Horizonte, o fogo ficou a poucos metros de atingir uma pousada. Outros registros mostram um cavalo com o corpo parcialmente queimado.

Turismo

Ao mesmo tempo em que a vegetação da Serra do Cipó é consumida pelo fogo, muitas pessoas procuraram se refrescar nas cachoeiras de Santana do Riacho, a 110 km de Belo Horizonte, durante este fim de semana.

Uma imagem divulgada nas redes sociais por uma associação de moradores mostra uma fila de carros na via que dá acesso às cachoeiras. Segundo os bombeiros, o excesso de veículos pode prejudicar a circulação dos brigadistas, já que parte das estradas são estreitas.

Veja: Reabertura de parque em Minas é adiada após incêndio em área verde

Ainda segundo a corporação, o trabalho de combate ao incêndio, que já dura oito dias, se concentra em quatro pontos específicos, sendo o principal deles na Serra de Confins. Além de apagar os focos, os militares e voluntários têm o desafio de impedir que os focos apagados reacendam.

Incêndios em MG

Os incêndios florestais em Minas Gerais tiveram alta de 22% no mês de setembro em relação ao mesmo período do ano passado. De acordo com o Tenente Pedro Aihara, caso o Estado não receba chuvas significativas até dezembro, a tendência é que o número total de incêndios em 2020 supere os de 2019.

Últimas