Minas Gerais Justiça inclui sócios da Backer em processo após tentativa de fraude

Justiça inclui sócios da Backer em processo após tentativa de fraude

Em fevereiro, sócios da cervejaria deixaram a sociedade em outra empresa, o que chamou atenção do juiz; agora, eles estão citados no processo

  • Minas Gerais | Lucas Pavanelli, do R7

Investigações contra a Backer completaram 4 meses

Investigações contra a Backer completaram 4 meses

Kiuane Rodrigues/ Record Tv Minas

O Tribunal de Justiça de Minas Gerais determinou a inclusão dos nomes dos sócios da Cervejaria Backer no processo que apura indícios de contaminação da cerveja Belorizontina.

As investigações, que completaram quatro meses nesta semana levam em conta a contaminação de 42 pessoas - nove morreram devido à intoxicação por dietilenoglicol encontrada em diversos lotes da cerveja. 

Casos suspeitos de 2018 entram em inquérito da polícia contra Backer

Para a Justiça, a inclusão dos nomes dos sócios se justifica poque houve indícios de fraude durante o processo. De acordo com a decisão do juiz Sérgio Fernandes, responsável pelo caso, a inclusão das pessoas físicas (e não somente os CNPJs das empresas ligadas aos sócios) se deu porque dois sócios tentaram retirar nomes de empresas do grupo como forma de dificultar o acesso ao patrimônio da Backer e, consequentemente, inviabilizar o pagamento de indenizações às famílias vítimas de intoxicação.

Uma dessas empresas é a Empreendimentos Khalil LTDA, ligada ao ramo imobiliário. Em fevereiro deste ano, um mês após o início das investigações contra a Backer, sócios da cervejaria deixaram o quadro societário da companhia.

Na época, a movimentação justificou uma determinação da própria Justiça em determinar o bloqueio dos bens da companhia. Até o momento, segundo a defesa das vítimas, apenas uma família conseguiu acordo judicial para que pudesse receber auxílio custeado pela Backer. 

Em nota, a cervejaria disse que !nunca agiu sob qualquer pretexto de fraude e que vai recorrer da decisão".

Últimas