Minas Gerais Suspeito de matar vigia em BH já tem condenação por homicídio

Suspeito de matar vigia em BH já tem condenação por homicídio

José Martins Dutra, preso pela morte de segurança do Ministério da Agricultura, foi condenado a 6 anos por crime cometido em 2003

  • Minas Gerais | Lucas Pavanelli e Célio Ribeiro*, do R7

Suspeito segue preso pela morte da segurança em BH

Suspeito segue preso pela morte da segurança em BH

Reprodução / Record TV Minas

O porteiro suspeito de matar uma vigilante do Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento), em Belo Horizonte, já foi condenado a mais de 6 anos de prisão por outro homicídio, que teria sido motivado por uma dívida de R$ 150.

Segundo o TJMG (Tribunal de Justiça de Minas Gerais), José Martins Dutra teria assassinado Ademir Ferreira Costa em fevereiro de 2003. Na época, o suspeito morava no bairro Jardim Teresópolis, em Betim, na região metropolitana de Belo Horizonte, enquanto a vítima vivia no bairro Jardim Montanhês, na região Noroeste da capital.

Dívida

De acordo com a denúncia, Dutra teria matado Costa em razão de uma dívida de cerca de R$ 150. O processo começou a ser analisado no primeiro semestre daquele ano, mas só foi julgado mais de nove anos depois, em novembro de 2012. Na época, José Martins Dutra foi condenado a 6 anos e meio de prisão por homicídio qualificado, mas, por ser réu primário, aguardou o julgamento do recurso em liberdade.

Logo após a condenação, a defesa de Dutra entrou com um recurso no próprio TJMG, que foi negado. Na sequência, os advogados acionaram o STJ (Supremo Tribunal de Justiça) e, desde dezembro de 2014, o processo está suspenso por decisão judicial. Segundo o TJMG, Dutra não cumpriu nenhuma parte da pena a que foi condenado.

A reportagem tenta localizar a defesa de José Martins Dutra.

Vigilante morta em BH

Maria Rita Pereira da Silva, de 46 anos, foi morta na sede do Mapa em Belo Horizonte, na manhã do dia 28 de setembro. Segundo os investigadores da Polícia Civil, a hipótese inicial é que a morte tenha sido causada por um desentendimento entre o grupo de vigias e porteiros do órgão.

O suspeito, José Martins Dutra, teria chegado ao local de trabalho uma hora mais cedo e esperado Maria Rita entrar na sala dos vigias. Os dois discutiram, já que Dutra não poderia estar lá. Em determinado momento, ele tomou a arma da mão da vítima e fez os disparos.

O suspeito foi detido horas depois na Rodoviária de Lagoa Santa, na região metropolitana de Belo Horizonte. Aos investigadores, o suspeito confessou ter matado a vigilante.

*​Estagiário do R7 sob a supervisão de Lucas Pavanelli.

Últimas