Ah, vai...

Transporte coletivo por ônibus é criticado há décadas pelos passageiros de Belo Horizonte

Autoridades públicas e empresas dizem tentar melhorar situação desde anos 70

Autoridades públicas e empresas dizem tentar melhorar situação desde anos 70

Divulgação / Prefeitura de Belo Horizonte

Já disse várias vezes neste espaço que não quero o elixir da juventude ou qualquer outro recurso que prolongue a vida para além da expectativa natural. Por muitas razões, ficarei em uma: o transporte coletivo por ônibus em Belo Horizonte.

Quando comecei no jornalismo, final dos anos 80, as queixas contra os ônibus pipocavam. E explodiram quando um rapaz chamado João Bitarães foi assassinado ao entrar em um coletivo na Rua Guarani. Depois de muita pressão da comunidade, que acompanhei de perto, a Empresa Barreiro perdeu a concessão do Bairro Independência e Ocelo Cirino, então superintendente municipal de transportes perdeu o cargo.

Em 1978, anunciaram a redenção: o governo do Estado criou a Metrobel, que mudaria tudo. Para melhor. Em 1987, quando ninguém aguentava mais, mataram a Metrobel e criaram a Transmetro. E disseram: agora vai. Em 1983, um político tradicional, Álvaro Antônio, assumiu a secretaria de Transportes do Estado, me convidou para andar de ônibus e jurou que tudo seria diferente. Dois anos depois, ele virou vice-prefeito da capital e repetiu as promessas. Em 1993, acharam a solução: o transporte por ônibus seria municipalizado porque, perto do prefeito, viria a solução.

Quando deputado, Délio Malheiros conseguiu proibir a Bhtrans de multar; quatro anos depois virou vice-prefeito e não tocou no assunto.

Quando Kalil candidatou-se prometeu abrir a caixa preta. Agora, ele abençoa uma CPI da Bhtrans e concorda em acabar com a empresa.

O que teremos no lugar? Um serviço municipal. Ué, voltaremos a 1978? Quando vamos ter melhorias? O presidente da CPI, candidato declarado à Prefeitura diz que daqui a uns 15 anos.

É mole?

Querem que acreditemos que vai melhorar...

Ai, volto a uma expressão da minha infância: Ah, vai...

E repito uma expressão atual: assim, eu não vou aguentar!

Últimas