Rio de Janeiro Justiça nega liberdade de suspeito de vender imóveis que caíram no RJ

Justiça nega liberdade de suspeito de vender imóveis que caíram no RJ

Pedido de habeas corpus alegava que o homem é grupo de risco do novo coronavírus. Tragédia aconteceu em 2019 e deixou 24 mortos

  • Rio de Janeiro | Isabela Afonso, do R7*

Tragédia deixou 24 mortos

Tragédia deixou 24 mortos

Centro de Operações da Prefeitura do RJ

O acusado de ser um dos vendedores do prédio que desabou na comunidade da Muzema, na zona oeste do Rio teve o pedido de habeas corpus negado pela 8ª Câmara Criminal do TJ-RJ (Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro).

Leia também: Prédios que desabaram em Muzema são irregulares, diz Prefeitura do Rio

A prisão preventiva do suspeito foi decretada no dia 16 de julho de 2019, no mesmo ano da tragédia que deixou 24 mortos.

A defesa do acusado alegou que ele seria grupo de risco do novo coronavírus. Mas o argumento não foi acatado.

Leia também: Imagens mostram prédios após desabamento no Rio de Janeiro

Na decisão o desembargador relator Cláudio Tavares de Oliveira Junior, relata que a prisão preventiva foi para assegurar a efetividade do processo penal.

*Estagiária do R7, sob supervisão de Paulo Guilherme

Últimas