Rio de Janeiro MP-RJ solicita novo exame balístico no caso João Pedro

MP-RJ solicita novo exame balístico no caso João Pedro

Análise pode apontar se bala que atingiu o menino partiu de fuzil de policiais envolvidos na ação em comunidade de São Gonçalo em maio deste ano

Menino foi atingido com um tiro nas costas

Menino foi atingido com um tiro nas costas

Reprodução

O MP-RJ (Ministério Público do Rio de Janeiro) solicitou um novo exame balístico na investigação sobre a morte do menino João Pedro dentro de casa no morro do Salgueiro, em São Gonçalo, região metropolitana do Rio.

Leia mais: Mulher baleada em assalto a ônibus está em estado grave no Rio

A análise pode apontar se o tiro partiu da arma de um dos três policiais civis envolvidos na ação. Um laudo pericial apontou que a bala é do mesmo calibre do fuzil que os agentes usavam no dia da ação - o trio segue afastado das funções.

Leia mais: Homem morre em tentativa de assalto a banco na zona oeste do Rio

Segundo o GAESP (Grupo de Atuação Especializada em Segurança Pública), o pedido visa cumprir uma determinação da CIDH (Corte Interamericana de Direitos Humanos) e uma solicitação do NUDEDH (Núcleo de Defesa dos Direitos Humanos) da Defensoria Pública do Rio.

Relembre o caso

O menino João Pedro Mattos Pinto, de 14 anos, foi baleado dentro de casa no dia 18 de maio durante uma operação das polícias Civil e Federal no Morro do Salgueiro, em São Gonçalo, na região metropolitana do Rio.

Após ser ferido, ele foi levado de helicóptero pelos policiais até o Coa (Comando de Operações Aéreas), mas, segundo os agentes, já chegou morto ao local. Ele foi localizado pela família 17 horas depois no IML (Instituto Médico Legal) de São Gonçalo.

De acordo com a perícia, João Pedro foi atingido pelas costas por um tiro de fuzil. Na residência, foram encontradas mais de 70 marcas de tiros.

No dia 22 de junho, o núcleo investigativo da Record TV teve acesso aos laudos do caso e apurou que a cena do crime não foi preservada. Além disso, os depoimentos dos policiais que estavam na operação apresentaram contradições com os das vítimas.

* Estagiária do R7 sob supervisão de Bruna Oliveira

Últimas