Rio de Janeiro Rio: guerra entre milicianos pode ter motivado ataque no Terreirão

Rio: guerra entre milicianos pode ter motivado ataque no Terreirão

Polícia acredita que ação foi feita a mando de Tandera, miliciano que briga pelo território que era controlado por Ecko

A Polícia Civil investiga a motivação do ataque a tiros em um bar da comunidade Terreirão, no Recreio dos Bandeirantes, zona oeste do Rio, nesta terça-feira (29). Após a morte de Ecko no dia 12 de junho, agentes acreditam que milicianos podem estar disputando o território que era controlado pelo criminoso. 

Comunidade era controlada por Ecko

Comunidade era controlada por Ecko

Reprodução/Record TV Rio

Desde o início da manhã de ontem, moradores da região registraram intenso tiroteio. Segundo testemunhas do ataque que deixou 3 mortos e 5 feridos, criminosos encapuzados vestidos de preto chegaram atirando contra homens sentados em um bar. Após os disparos, o bando fugiu em dois carros. 

Conforme informado pela PM, policiais militares do Batalhão de Polícia de Choque atuavam na comunidade depois do ataque.

Além disso, a Delegacia de Homicídios da Capital realizou a perícia no local e procura imagens de câmera de segurança que possam ajudar a identificar os atiradores. De acordo com informações, a principal suspeita é que a ação criminosa tenha sido ordenada por Tandera, o miliciano mais procurado do Rio de Janeiro

De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde, apenas uma pessoa ferida no ataque permanece internada no Hospital Municipal Lourenço Jorge, na Barra da Tijuca, em estado estável. Os outros três pacientes tiveram alta da unidade ontem mesmo.

Na ocasião, um jovem armado, também ferido, foi preso por agentes da 31º BPM (Recreio dos Bandeirantes). Identificado como Gabriel Gomes Mendes, 21, o suspeito foi transferido para o Hospital Municipal Miguel Couto, na zona sul, onde permanece internado sob custódia. 

Últimas