Rio de Janeiro Rio: mãe diz que menino foi baleado quando buscava gibi em praça

Rio: mãe diz que menino foi baleado quando buscava gibi em praça

Thiago de Souza Mendonça, de 14 anos, morreu após ser atingido por uma bala perdida durante operação da Polícia Militar 

  • Rio de Janeiro | Rayssa Motta, do R7*

Thiago faleceu após passar dois dias internado

Thiago faleceu após passar dois dias internado

Reprodução/Facebook

Rosângela Mendonça contou como foram os últimos momentos do filho Thiago, de 14 anos, morto após ser atingido por uma bala perdida na Cidade de Deus, zona oeste do Rio de Janeiro.

Três jovens morrem em tiroteios durante feriadão no Rio

Em entrevista à RecordTV, ela disse que estava com o filho no momento em que ele foi baleado na localidade conhecida como Outeiro. Segundo a mãe, ela arrumava o trailer onde vende salgados, quando Thiago pediu para ir até a praça pegar um gibi. 

“Eu estava olhando meu filho. Quando eu escutei os tiros eu saí apavorada, meu filho veio na minha direção falando ‘mamãe, eu fui baleado. Eu tomei um tiro, mamãe’. Eu levantei a blusa dele e não vi nada. Quando meu filho caiu no chão eu vi o tiro nas costas dele".

Ela passou os minutos seguintes tentando evitar que o menino desmaiasse enquanto a ambulância, acionada por um vizinho, não chegava ao local para prestar socorro. "Meu filho ficou 47 minutos lá naquele chão agonizando, falando que não queria morrer."

Os moradores conseguiram um carro para levar o menino até uma UPA (Unidade de Pronto Atendimento). Depois, ele foi transferido ao Hospital Municipal Lourenço Jorge, na Barra da Tijuca, também na zona oeste. Thiago ficou internado em estado grave no CTI (Centro de Terapia Intensiva) da unidade de saúde até o último sábado (3), quando morreu.

De acordo com Ronsangela, não foi possível ver de onde partiram os disparos, mas os médicos disseram ser um tiro de fuzil.

Emocionada, a mãe contou ainda que o sonho do menino era ser jogador de futebol para ajudar a família.

Moradores da Cidade de Deus iniciaram uma campanha nas redes sociais para levantar fundos para o enterro do adolescente. Em menos de 48 horas, a meta foi batida e a família pôde ir ao IML (Instituto Médico Legal) liberar o corpo do menino. A data do enterro ainda não foi divulgada.

Assista ao vídeo:

*Estagiária do R7, sob supervisão de Bruna Oliveira

Últimas